Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 10 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

Pesquisa empírica sobre qualidade de vida no trabalho de magistrados da Justiça Trabalhista

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v9.598
Enviado
abril 15, 2021
Publicado
2022-06-01

Resumo

A presente pesquisa empírica foi desenvolvida com magistrados da Justiça Trabalhista de um certo Tribunal, objetivando conhecer, a partir da percepção dos próprios juízes, a realidade por eles vivenciada quanto à qualidade de vida no trabalho (QVT). A relevância desse levantamento está na oportunidade de conhecer as condições laborais enfrentadas, a fim de prover melhorias. Os dados da survey foram obtidos mediante a aplicação de instrumento de pesquisa no período de 15 a 17 de janeiro de 2020. O questionário foi elaborado com base no modelo de QVT de Walton (1973), ressalvadas as adaptações realizadas ao modelo teórico, tendo alcançado 104 respondentes, ou seja, 40,15% de um universo de 259 juízes trabalhistas atuantes no 1º grau. E como resultado da pesquisa evidenciou-se que subsiste um certo mal-estar no serviço, devido ao grande volume de trabalho, às cobranças excessivas de metas institucionais, e às condições inadequadas de trabalho – o que aponta para um quadro de menor qualidade de vida no trabalho e adoecimento ocupacional em torno de 28%, demandando atenção e medidas preventivas em prol da saúde e do trabalho, já que os fatores estressores identificados têm incidência permanente.

 

 

Referências

  1. Alves, G. (2013). Dimensões da precarização do trabalho: ensaios de sociologia do trabalho. Bauru-SP: Imprenta.
  2. Alves, G. (2015). Precarização do Trabalho, Qualidade de Vida e Saúde dos Magistrados Trabalhistas no Brasil. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, nº 47. Campinas/SP: Editora do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região/ Escola Judicial do TRT – 15ª Região, pp. 243-259.
  3. Alves, G. (2018). A Crise do Neodesenvolvimentosmo e as perspectivas do trabalho: o Brasil no século XXI. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, n. 53, pp. 196-216.
  4. Bouyer, G. C. (2010). Contribuição da Psicodinâmica do Trabalho para o debate: "o mundo contemporâneo do trabalho e a saúde mental do trabalhador". Rev. bras. saúde ocup., São Paulo, v. 35, n. 122, pp. 249-259. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0303-76572010000200007&lng=en&nrm=iso
  5. https://doi.org/10.1590/S0303-76572010000200007
  6. Conselho Nacional de Justiça (CNJ). (2015). Justiça Pesquisa: Trabalhar na magistratura, construção da subjetividade, saúde e desenvolvimento profissional. Brasília: CNJ. https://www.cnj.jus.br/wpcontent/uploads/2011/02/47015a1dfc85e2169ca0de526665d870
  7. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, de 5 de outubro de 1988. (2020). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm
  8. Cabral Júnior, U. B. (2013). O ambiente de trabalho dos profissionais de educação. In: CABRAL JÚNIOR, Ubirajara B. (Org.). Qualidade de vida no ambiente de trabalho de profissionais da educação. Petrópolis, RJ: De Petrus at Alii; Rio de Janeiro: Faperj.
  9. Costi, C. G. (2013). A saúde do magistrado: um breve levantamento bibliográfico. Revista da ESMESC, v. 20, n. 26, pp. 203-222.
  10. Cunha, J. R. (Org.) et al. (2010). Direitos Humanos e Poder Judiciário no Brasil: Federalização, Lei Maria da Penha e Juizados Especiais Federais. 2ª ed. Rio de Janeiro: FGV Direito Rio, 2010.
  11. Dejours, C. (2011). Da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. 3ª Ed. Brasília: Paralelo 15; Rio de Janeiro: Fiocruz.
  12. Dejours, C. (1999). Conferências brasileiras: identidade, reconhecimento e transgressão no trabalho. São Paulo: Fundap; EAESP/FGV.
  13. Dejours, C. (1996). Psychologie Clinique du Travail et Tradition Compréhensive. In: CLOT, Y. (Org). Les histoires de la psychologie du travail: approche pluri-disciplinaire. Paris: Octares Editions, pp. 195-219.
  14. Fernandes, E. C. (1996). Qualidade de vida no trabalho: Como medir para melhorar. Salvador: Casa da Qualidade.
  15. Ferreira, M. C. (2012). Qualidade de Vida no Trabalho: uma abordagem centrada no olhar dos trabalhadores. (2ª ed.). Brasília: Paralelo 15.
  16. Gil, Carlos A. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6ª edição. São Paulo, Atlas, 2017.
  17. Hackman, J. R., & Lawler, E. E. (1971). Employee reactions to job characterisics. Journal of applied psychology, v. 55, n. 3.
  18. Heloani, J. R., & Barreto, M. (2018). Assédio Moral: gestão por humilhação. Curitiba: Juruá.
  19. Lakatos, E., & Marconi, M. (2003). Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas.
  20. Lancman, S. (2008). O mundo do trabalho e a psicodinâmica do trabalho. In: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L. I. (Org.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, pp. 25-36.
  21. Lei Complementar nº 35, de 14 de março de 1979. (2020). Dispõe sobre a Lei Orgânica da Magistratura (LOMAN). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp35.htm
  22. Limongi-França, A. C. (2017). Práticas de recursos humanos: conceitos, ferramentas e procedimentos. São Paulo: Atlas.
  23. Marinoni, L. G., & Mitidiero, D. (2008). Repercussão geral no recurso extraordinário, 2. Ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.
  24. Nadler, David A., & Lawler, E. E. (1983). Quality of work life: perspectives and directions. Organizational dynamics, v. 11, n. 3.
  25. Pedro, F. C. S. (2019). A Jurisprudência como Fonte de Integração do Direito e a Reforma Trabalhista. Paraíba: Revista da ABET (UFPB), v. 18, n. 2.
  26. Pedroso, B., & Pilatti, L. A. (2010). Avaliação de indicadores da área da saúde: a qualidade de vida e suas variantes. São Paulo: Revista eletrônica FAFIT/FACIC. v. 1. n.1. p. 01-09. http://www.fafit.com.br/revista/index.php/fafit/article/viewFile/2/2
  27. Pilatti, L. A. (2008). Qualidade de vida no trabalho e a teoria dos dois fatores de Herzberg: possibilidade-limite das organizações. In: VILARTA, R.; GUTIERREZ, G. L. (Orgs.). Qualidade de vida no ambiente corporativo. Campinas: IPES Editorial.
  28. Pinheiro, C. R. R. (2020). O modelo gerencialista implantado no poder judiciário e o impacto na magistratura. 1 recurso online (47 p.) [Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP]. http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/343058
  29. Rampazzo, L. (2005). Metodologia Científica para Alunos de Graduação e Pós-graduação. 3ª ed., São Paulo Loyola.
  30. Resolução nº 207 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 15 de outubro de 2015. (2015, 15 outubro). Institui política de atenção integral à saúde de magistrados e servidores do Poder Judiciário. https://atos.cnj.jus.br/files/resolucao_207_15102015_19102015182702.pdf
  31. Resolução nº 338 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 7 de outubro de 2020. (2020, 7 outubro). Alterou a Resolução CNJ nº 207/2015, que institui a Política de Atenção Integral à Saúde de Magistrados e Servidores do Poder Judiciário. https://atos.cnj.jus.br/files/original205257202010085f7f7c2936357.pdf
  32. Ribeiro, H. P. (2005). O Juiz sem a Toga: um estudo da percepção dos juízes sobre trabalho, saúde e democracia no Judiciário. Santa Catariana: Lagoa.
  33. Pessoa, J. et al. (2020). O trabalho que engrandece e o trabalho que adoece: um estudo sobre a atuação profissional de magistrados trabalhistas à luz da teoria dejouriana In Rossi, T. M., & Brandão, M. R. (Orgs). Atualizar o Trabalho: reflexões preliminares. Brasília: ICESP Universitária, pp. 15-31.
  34. Timossi, L. S. et al. (2009). Adaptação do modelo de Walton para avaliação da qualidade de vida no trabalho. Revista da Educação Física. Maringá. http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/5780/4882
  35. Tolfo, S. R., & Piccinini, V. C. (2001). As melhores empresas para trabalhar no Brasil e a qualidade de vida no trabalho: disjunções entre a teoria e a prática. Revista de administração contemporânea, v. 5, n. 1, 2001, pp. 165-193. https://www.scielo.br/pdf/rac/v5n1/v5n1a10.pdf
  36. Walton, R. E. (1973). Quality of Working Life: What is it? Sloan Management Review, 15, 1, pp. 11-21.

Downloads

Não há dados estatísticos.