Epistemopolí­ticas do dispositivo carcerário paulista: refletindo sobre experiências de pesquisa-intervenção junto à Pastoral Carcerária

  • Rafael Godoi Universidade de São Paulo
  • Marcelo da Silveira Campos Universidade Federal da Grande Dourados
  • Fábio Mallart Universidade de São Paulo
  • Ricardo Campello Universidade de São Paulo

Resumo

O artigo tem por objetivo refletir sobre as potencialidades críticas e heurísticas da pesquisa sociológica sobre o dispositivo carcerário paulista, levada a cabo através do engajamento dos pesquisadores em coletivos e atividades da Pastoral Carcerária. As dimensões astronômicas do sistema carcerário paulista; sua notável centralidade nos mecanismos de gestão do conflito que garantem a (re)produção da cidade contemporânea; bem como as várias dificuldades impostas pela administração penitenciária local ao escrutínio público do ambiente carcerário em geral, e à prática da pesquisa científica em particular, são as principais justificativas para esta reflexão. No decorrer do texto, os sentidos práticos e analíticos da atuação de diferentes pesquisadores/agentes pastorais são expostos e discutidos através de uma metáfora geológica, indagando sobre as características e limites da atuação e do conhecimento que se desdobram nos subterrâneos, na superfície e no cume do sistema carcerário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Godoi, Universidade de São Paulo

Pesquisador de pós-doutorado do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) e do Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflito e Violência Urbana da UFRJ. Doutor em sociologia pela USP. Autor de "Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempo" (Boitempo) e organizador de "BR 111: a rota das prisões brasileiras" (Veneta/Le Monde Diplomatique Brasil).

Marcelo da Silveira Campos, Universidade Federal da Grande Dourados

Pós Doutorando no INCT-InEAC/UFF, professor adjunto da UFGD, professor convidado da Faculdade de Medicina da USP, doutor em sociologia pela USP. Autor de "Pela Metade: a lei de drogas do Brasil" (Annablume).

Fábio Mallart, Universidade de São Paulo

Mestre em Antropologia e doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente, é pesquisador de pós-doutorado pelo Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IMS/UERJ). Autor de "Cadeias dominadas: a Fundação CASA, suas dinâmicas e as trajetórias de jovens internos" (Terceiro Nome/Fapesp) e organizador de "BR 111: a rota das prisões brasileiras" (Veneta/Le Monde Diplomatique Brasil).

Ricardo Campello, Universidade de São Paulo

Mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo.

Referências

Agamben, G., & Assmann, S. (2008). O Que Resta De Auschwitz. São Paulo: Boitempo.

Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais - ANPOCS. (2011, outubro) “Moção sobre “Ética em Pesquisa” apresentada e aprovada durante a 36ª Assembléia Geral e Ordinária da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais – ANPOCS, realizada no dia 28 de outubro de 2011, na cidade de Caxambu / MG.” [online] Recuperado de: http://anpocs.org/index.php/universo/institucional/mocoes-sp-1243763237/755-mocao-etica-em-pesquisa-28102011 (Acesso em jul. de 2017).

Antunes, S. (2017). Para habitar entre grades: táticas de [sobre]vida na prisão. Aracê – Direitos Humanos em Revista, v.4, n.5, p.116-135. Recuperado em: https://arace.emnuvens.com.br/arace/article/view/136

Barak-Glantz, I. L. (1981). Toward a conceptual schema of prison management styles. [Para um esquema conceitual de estilos de administração prisional] The prison journal, v. 61, n. 2, p. 42-60. doi: 10.1177/003288558106100206

Biondi, K. (2010) Junto e misturado: uma etnografia do PCC. São Paulo: Terceiro Nome.

Campos, Marcelo da Silveira. (2015). Pela metade: as principais implicações da nova lei de drogas no sistema de justiça criminal em São Paulo (Tese de Doutorado em Sociologia). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.[online] Recuperado de: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-31072015-151308/pt-br.php (Acesso em jan. de 2020)

Campos, M. S. & Valente, R. A. (Outubro, 2012). O julgamento do recurso extraordinário 635.659. Boletim IBCCRIM, pp. 2-4.

Castro e Silva, A. M. (2011). Participo que... Desvelando a punição intramuros. Rio de Janeiro: Publit.

Chantraine, G. (2004a) Par-delà les murs. Trajectoires et expériences en maison d’arrêt. [Para além dos muros : trajetórias e experiências numa casa de detenção] Paris: Presses Universitaires de France-Le Monde.

______. (2004b) Prison and sociological perspective. [Prisão e perspectiva sociológica] Champ Pénal/ Penal Field, v. 1 n. 1. pp. 2-11.

Coelho, E., & Coelho, M. (2005). A Oficina do Diabo e outros estudos sobre criminalidade. Rio de Janeiro: Record.

Combessie, P. (1996). Prisons des villes et des campagnes: étude d’écologie sociale. [Prisões de cidade e de campo : estudo de ecologia social]. Québec: Les Classiques des Sciences Sociales. doi: 10.1522/030164447

Deleuze, G. (1987). Foucault. Barcelona: Paidós.

DEPEN - Departamento Penitenciário Nacional. (2016) Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Infopen – Dezembro 2014. Brasília, Ministério da Justiça.

Dias, C. (2013). PCC: hegemonia nas prisões e monopólio da violência. São Paulo: Saraiva.

Diniz, D. (2015). Cadeia: relatos sobre mulheres. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fassin, D. (2009). Une science sociale critique peut-elle être utile?. [Um ciência social crítica pode ser útil?] Tracés. Hors-série, p. 199-211.

______. (2015). L’Ombre du Monde: une anthropologie de la condition carcéral.[A sombra do mundo : uma antropologia da condição carcerária] Paris: Seuil.

Ferguson, J. & Gupta, A. (2002). Spatializing states: toward an ethnography of neoliberal governmentality. [Espacializando estados: para uma etnografia da governamentalidade neoliberal] American Ethnologist, v. 29, n. 4, pp. 981-1002.

Foucault, M. (1996). A ordem do discurso. São Paulo: Loyola.

______. (1999). Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes.

Godoi, R. (2017). Fluxos em Cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. São Paulo: Boitempo.

Haraway, D. (1988). Situated knowledges: the Science question in feminism and the privilegie of partial perspective. [Saberes situados: a questão científica no feminism e o privilégio da perspectiva parcial] Feminist Studies, v. 14, n. 3, pp. 575-599.

Hulsman, L. & Celis, J. B. (1993) Penas perdidas. O sistema penal em questão. Rio de Janeiro: Luam.

Lago, N. (2014) Mulheres na prisão: entre famílias, batalhas e a vida normal. (Dissertação de Mestrado em Antropologia) – Universidade de São Paulo, SP, Brasil.

Lemgruber, J. & Paiva, A. (2010). A Dona das Chaves: uma mulher no comando das prisões do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Record.

Mallart, F. (2014). Cadeias dominadas: a Fundação CASA, suas dinâmicas e as trajetórias de jovens internos. São Paulo: Terceiro Nome.

Malvasi, P., Salla, F., Mallart, F. & Melo, R. (2018). Saberes da encruzilhada: militância, pesquisa e política no sistema socioeducativo. Etnográfica, v. 22,. n. 1, pp. 76-96.

Massaro, C. (2014). Trabalho em tempos de crise: a superexploração do trabalho penal no Centros de Ressocialização femininos do Estado de São Paulo. (Tese de Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, Brasil.

Melo, F. A. (2014). As prisões de São Paulo: Estado e mundo do crime na gestão da ‘reintegração social’. São Paulo: Alameda.

Minhoto, L. (2015). Foucault e o ponto cego na análise da guinada punitiva contemporânea. Lua Nova, n. 95, pp. 289-311.

Moraes, A., Parra, H., Albuquerque, H., Tible, J. & Schavelzon, S. (2017). Quer dizer, então, que a periferia é liberal? [online] Disponível em: http://outraspalavras.net/brasil/quer-dizer-entao-que-a-periferia-e-liberal/ (Acesso em jul. de 2017¬).

Ministério da Saúde. (2016). Resolução n. 510 de 7 de abril de 2016. [online] Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf (Acesso em jul. de 2017).

______. (2017). Plataforma Brasil. [online] Disponível em: http://aplicacao.saude.gov.br/plataformabrasil/login.jsf (Acesso em jul. de 2017)

Ramalho, J. R. (2002). O mundo do crime: a ordem pelo avesso. São Paulo: IBCCrim.

Reiter, B. (2017). Theory and Methodology of Exploratory Social Science Research. [Teoria e metodologia da pesquisa exploratória em ciências sociais] International Journal os Science and Research Methodology, v.5, n.4, p. 129-150.

Ricordeau, G. (2007) Les relations familiales a l’epreuve de l’incarceration: solidarités et sentiments à l’ombre des murs. [As relações familiares à prova do encarceramento : solidariedades e sentimentos à sombra dos muros] (Tese de Doutorado em Sociologia) – Université Paris IV – Sorbonne, Paris, França.

Rothman, D. J. (2008). The Discovery of Asylum: social order and disorder in the New Republic. [A descoberta do Asylum: ordem e desordem social na Nova República] London: Aldine Transaction.

SAP – Secretaria da Administração Penitenciária. (2017). Comitê de ética em pesquisa da SAP. [online] Disponível em: http://www.sap.sp.gov.br/comite-etica.html (Acesso em jul. de 2017).

Senellart, M. (2006). As artes de governar. São Paulo: 34.

Stebbins, R. (2001). Exploratory Research in the Social Sciences. [Pesquisa exploratória em ciências sociais] Thousand Oaks: SAGE.

Zamboni, M. (2017). “O barraco das monas na cadeia dos coisas: notas etnográficas sobre a diversidade sexual e de gênero no sistema penitenciário.” Aracê – Direitos Humanos em Revista, v.4, n.5, p. 93-115.

VÁRIAS ORGANIZAÇÕES. (2014). Agenda nacional pelo desencarceramento. [online] Disponível em: http://carceraria.org.br/agenda-pelo-desencarceramento.html (Acesso em jul. 2017).

Weber, M. (2004). Economia e Sociedade: fundamentos de sociologia compreensiva, v. 1. São Paulo: UNB/Imprensa Oficial.

Publicado
2020-04-14
Como Citar
Godoi, R., Campos, M. da S., Mallart, F., & Campello, R. (2020). Epistemopolí­ticas do dispositivo carcerário paulista: refletindo sobre experiências de pesquisa-intervenção junto à Pastoral Carcerária. Revista De Estudos Empíricos Em Direito, 7(1), 143-158. https://doi.org/10.19092/reed.v7i1.332