Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 10 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

Empresários e sua propensão a punir atos classificados pelo direito como corrupção

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v9.696
Enviado
dezembro 5, 2021
Publicado
2023-01-12

Resumo

O presente trabalho consiste em estudo detalhado de uma pesquisa empírica que abordou casos hipotéticos envolvendo a chamada pequena corrupção, tendo como público-alvo a classe empresarial. Participaram da pesquisa 104 empresários de todo o Brasil que responderam um questionário com 15 perguntas, aplicados por meio da rede mundial de computadores e que incluíram cenários hipotéticos (vinhetas) que envolviam atos de pequena corrupção, cuja adequação foi avaliada pelos respondentes. Em que pese a complexidade do propósito da pesquisa, os resultados indicaram, em geral, convergência entre o posicionamento dos entrevistados e a previsão legal no que diz respeito a práticas corruptas, sugerindo a ocorrência de maior propensão a punir relativamente a atos de corrupção passiva. Os resultados, ainda, proporcionaram interessantes inferências comportamentais ligadas não só à propensão a punir, como também à propensão a delinquir.

Referências

  1. ABBINK, K. e. (julho de 2018). The Effect Os Social Norms on Bribe Offers. The Journal of Law, Economics, & Organization, 34, n. 3, 457-474.
  2. AGUIAR, J. C. (2017). Teoria Analítico-comportamental do Direito: para uma abordagem científica do direito como sistema social funcionalmente especializado. Porto Alegre: Nuria Fabris.
  3. AGUIAR, J. C., & BAPTISTA, R. R. (janeiro de 2019). Como naturalizamos a corrupção? As novas fronteiras propostas pela análise comportamental da desonestidade ao combate à corrupção. Revista Brasileira de Ciências Criminais, 151, 261-290.
  4. AMIN, M., & SOH, Y. C. (fev. de 2020). Does Greater Regulatory Burden Lead to More Corruption? Evidence Using Firm-Level Survey Data for Developing Countries.
  5. AMUNDSEN, I. (1999). Political Corruption: An Introduction to the Issues.
  6. ANDERSON, J. H., & GRAY, C. W. (2007). Anticorruption in Transition 3. Who is Succeeding... an Why? The World Bank.
  7. ANDRADE, V. R. (1995). Do paradigma etiológico ao paradigma da reação social: mudança e permanência de paradigmas criminológicos na ciência e no senso comum. Sequência: estudos jurídicos e políticos, v. 16, pp. 24-36.
  8. AZEVEDO, E. B. (abr. de 2018). Corrupção, governança e desenvolvimento: uma análise seccional de dados para o Brasil. Globalização, Competitividade e Governabilidade, v. 12, n. 1, 48-62.
  9. BARATTA, A. (2002). Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal (3. ed. ed.). (J. C. SANTOS, Trad.) Rio de Janeiro: Revan.
  10. BAUER, L. (abr de 2007). Estimação do coeficiente de correlação de Spearman ponderado. Porto Alegre.
  11. BOBBIO, N., MATTEUCCI, N., & PASQUINO, G. (1998). Dicionário de política (11. ed.). (G. L. Carmen C. Varriale, Trad.) Brasília: Universidade de Brasília.
  12. BORGES, A., & VIDIGAL, R. (jan./abr. de 2018). Do lulismo ao antipetismo? Polarização, partidarismo e voto nas eleições presidenciais brasileiras. Opinião Pública, v. 24, n. 1, p. 53-89.
  13. BRATSIS, P. (2011). The new politics of corruption: from the white man's burden to the relative autonomy of the State.
  14. BUSATO, M. d., & SVOBODA, A. C. (fev de 2020). Controle social como mecanismo de combate à corrupção na administração pública. Revista dos Tribunais online, 118/2020, 13-28.
  15. CAIADO, R. A. (28 de jun de 2013). O sentimento de insegurança e a sua interação com a criminalidade. Lisboa.
  16. CAJAÍBA, K. d., & SILVA, R. R. (set./dez. de 2018). Determinantes socioeconômicos da percepção de corrupção nos países da América do Sul. C&D-Revista Eletrônica da FAINOR, v. 11, n. 3, p. 608-632.
  17. CARRARA, K., & FERNANDES, D. M. (2018). Corrupção e seleção por consequências: uma análise comportamental. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 34, pp. 1-11.
  18. CASTILHO, E. W. (1996). O controle penal nos crimes contra o sistema financeiro nacional (Lei n. 7.492, de 16.06.86). Florianópolis.
  19. CASTRO, C. (2008). Determinantes econômicos da corrupção na União Europeia dos 15. Revista Economia Global e Gestão, n. 3, v. 13, 71-98.
  20. CASTRO, E. K. (14 de fev. de 2017). A corrupção sistêmica no Brasil. Acesso em 20 de mar. de 2020, disponível em domtotal.com: https://domtotal.com/noticia/1125239/2017/03/a-corrupcao-sistemica-no-brasil/
  21. CASTRO, L. A. (1983). Criminologia da reação social. (E. Kosovski, Trad.) Rio de Janeiro: Forense.
  22. CHEMIM, R. (2017). Mãos Limpas e Lava Jato - a corrupção se olha no espelho. Porto Alegre: Citadel.
  23. COLET, C. P., & D. FILHO, E. C. (s.d.). O paradigma da reação social na conduta desviada: o processo de criminalização e etiquetamento social.
  24. COLET, C. P., & MOURA, P. B. (jan./jun. de 2008). A aplicabilidade da lei penal e a punibilidade do senso comum: a criminologia da reação social na conduta desviada. Direito em debate, pp. 35-57.
  25. CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. (2018). Violência contra a mulher : um olhar do Ministério Público brasileiro. Brasília.
  26. CORDEIRO, N. (2019). Colaboração premiada e combate à corrupção – princípios constitucionais da Administração Pública regulando o negócio judicial. In: HIROSE, Regina Tamami (Coord.). Carreiras típicas de Estado: desafios e avanços na prevenção e no combate à corrupção. Belo Horizonte: Fórum.
  27. CRUZ, R. S. (2020). Jurisdição penal e efetividade. p. 197-217. Belo Horizonte: Fórum.
  28. EPSTEIN, L., & KING, G. (2013). Pesquisa empírica em direito: as regras de inferência. (B. M. Fábio Morosini (coordenador), Trad.) São Paulo: Direito GV.
  29. FERRAJOLI, L. (2014). Poderes selvagens: a crise da democracia italiana. (A. A. Souza, Trad.) São Paulo: Saraiva.
  30. FILGUEIRAS, F. (maio/ago de 2008). Comunicação política e corrupção. Revista de Estudos da Comunicação, 9(n. 19), 77-87.
  31. FOXALL, G. R. (1990/2004). Consumer Psychology in Behavioral Perspective. New York: Routledge.
  32. FRANÇA, L. A. (jan./jun. de 2014). A criminalidade de colarinho-branco: a proposição teórica de Edwin Hardin Sutherland. Revista de Direito Econômico e Socioambiental. v. 5. n. 1, p. 53-74.
  33. GARCIA, E. (fev de 2004). A corrupção. Uma visão jurídico-sociológica. Revista dos Tribunais online, 820, 440-473.
  34. GIL, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.
  35. GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.
  36. GIMENEZ, C. P., & COITINHO, V. T. (mai./jun. de 2012). O papela da mídia na (in)segurança do sistema penal: a criminalização dos sujeitos a partir do etiquetamento social. Santa Maria.
  37. GLASOW, P. A. (abr. de 2005). Fundamentals of Survey Research Methodology.
  38. GOMES, D. (2018). A corrupção enquanto fenômeno social: elemento pernicioso nas estruturas estatais ou greaxa sobre as rodas da economia? Revista Doutrina e Jurisprudência, 159-172.
  39. GORGA, É. (28 de nov. de 2019). Criminalidade e prisão em segunda instância. O Estado de S. Paulo.
  40. GOUVEIA, V. V. (2009). Escala de desejabilidade social de Marlowe-Crowne: evidências de sua validade fatorial e consistência intena. Avaliação Psicológica, 87-98.
  41. GUEDES, M. M. (2015). Comparação da desejabilidade social entre uma amostra de pais em avaliação das competências parentais e uma amostra de controlo. Coimbra.
  42. HAGE, J. (2020). Evolução e perspectivas do combate à corrupção no Brasil. In: PAULA, Marco Aurélio Borges de; CASTRO, Rodrigo Pironti Aguirre de (Coord.). Compliance, gestão de riscos e combate à corrupção: integridade para o desenvolvimento. pp. p. 53-62.
  43. JAIN, A. K. (2001). Corruption: A Review. Journal of Economic Surveys, v. 15, n. 1, 71-121.
  44. KEMPFER, M., & BATISTI, B. M. (ago de 2017). Estudo sobre o compliance para prevenção da corrupção nos negócios públicos: ética, ciência da administração e direito. Revista do Direito Público, 12(n. 2), 273-307.
  45. KHAN, M. H. (2006). Determinants of Corruption in Developing Countries: The Limits of Conventional Economical Analysis. International Handbook on the Economics of Corruption, 1-35.
  46. LANDIN, L. V. (2015). A impunidade e a seletividade dos crimes de colarinho branco. Goiânia.
  47. LASSWELL, H. D. (2007). The structure and functiono of communication in society. 215-228.
  48. LIRA, S. A. (2004). Análise de correlação: abordagem teórica e de construção dos coeficientes com aplicações. Curitiba.
  49. MAIA, A. J. (2010). Corrupção: Realidade e Percepções. O Papel da Imprensa. Lisboa.
  50. MAIA, A. J. (2010). Corrupção: Realidade e Percepções. O Papela da Imprensa. Lisboa.
  51. MANZATO, A. J., & SANTOS, A. B. (fev. de 2012). A elaboração de questionários na pesquisa quantitativa. Departamento de Ciência de Computação e Estatística–Universidade de Santa Catarina.
  52. MARKOVSKA, A., & SERDUYK, A. (jan. de 2015). Black, grey or white? Finding the new shade of corruption in Ukraine.
  53. MELO, R. R. (2019). Propensão a Punir: Uma análise comportamental dos efeitos do nível de aversividade de atos delitivos. 64 páginas. Programa de Pós-graduação em Ciências do Comportamento da Universidade de Brasília. Brasília.
  54. MENDIETA, M. V. (2002). Foro internacional, pp. 645-682.
  55. NASCIMENTO, M. D. (abr./jun. de 2016). O controle da corrupção no Brasil e a Lei nº 12.846/2013 – Lei Anticorrupção. R. bras. de Dir. mun. - RBDM(ano 17, n. 60), 79-137.
  56. O'HARA, P. A. (jun. de 2014). Political Economy of Systemic and Micro-Corruption Throughout the World. Journal Of Economic Issues, v. XLVIII, n. 2, p. 279-307.
  57. OLIVEIRA, R. F. (nov de 2012). A corrupção como desvio de recursos públicos (a agressão da corrupção aos direitos humanos). Revista dos Tribunais online, 3, 123-132.
  58. OWENS, L. K. (jan. de 2002). Introduction to Survey Research Design.
  59. PAGOTTO, L. U. (2010). O combate à corrupção: a contribuição do direito econômico. São Paulo.
  60. PAULA, M. A. (2020). Efeitos da corrupção para o desenvolvimento. In: PAULA, Marco Aurélio Borges de; CASTRO, Rodrigo Pironti Aguirre de (Coord.). Compliance, gestão de riscos e combate à corrupção: integridade para o desenvolvimento, 2. ed, 21-43. Belo Horizonte: Fórum.
  61. PEDROSO, J. P., MASSUKADO-NAKATANI, M. S., & MUSSI, F. B. (jul./ago. de 2009). A relação entre o jeitinho brasileiro e o perfil empreendedor: possíveis interfaces no contexto da atividade empreendedora no Brasil. RAM - Revista de Administração Mackenzie, 10, n. 4, 100-130.
  62. PRING, C., & VRUSHI, J. (2019). Barômetro global da corrupção - América Latina e Caribe 2019. Opiniões e experiências dos cidadãos relacionadas à corrupção. Acesso em 26 de dez de 2019, disponível em Transparência internacional: https://comunidade.transparenciainternacional.org.br/asset/54:bgc---barometro-global-da-corrupcao-2019?stream=1
  63. ROSE-ACKERMAN, S. (2018). Corruption & Purity. Daedalus, p. 98-110.
  64. SÁ, L. F. (2004). Economia da corrupção, instituições e convenções : as perspectivas ortodoxas e heterodoxas. Vitória.
  65. SILVA, M. F. (out. de 1996). A Economia Política da Corrupção: o Escândalo do Orçamento.
  66. SORÉ, R. R. (2019). A Lei nº 12.846/2013 e a figura do corruptor empresarial. A lei anticorrupção em contexto: estratégias para a prevenção e o combate à corrupção corporativa, p. 67-95. Belo Horizonte: Fórum.
  67. SOUZA, C. M., & CARDOSO, L. E. (jan/fev. de 2016). A perda alargada em face da principiologia processual penal brasileira. Revista Brasileira de Ciências Criminais, v. 24(n. 118), p. 233-271.
  68. SOUZA, C. Y. (2019). Sistema anticorrupção, improbidade administrativa e o papel da Advocacia-Geral da União. In: HIROSE, Regina Tamami (Coord.). Carreiras típicas de Estado: desafios e avanços na prevenção e no combate à corrupção. Belo Horizonte: Fórum.
  69. SPINELLI, M. V. (2016). Street-level corruption: fatores institucionais e políticos da corrupção burocrática. São Paulo.
  70. SUTHERLAND, E. H. (fev. de 1940). White collar criminality in American Sociological Review. vol. 5. n. 1. pp. p. 1-12.
  71. SUTHERLAND, E. H. (2015). Crime do colarinho branco: versão sem cortes; tradução Clécio Lemos. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan.
  72. TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL. (2021). Índice de Percepção da Corrupção 2020. Acesso em 5 de dez de 2021, disponível em TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL: https://comunidade.transparenciainternacional.org.br/ipc-indice-de-percepcao-da-corrupcao-2020
  73. VERAS, R. P. (2006). Os crimes do colarinho branco na perspectiva da sociologia criminal. São Paulo.
  74. VERÍSSIMO, C. (2017). Compliance: incentivo à adoção de medidas anticorrupção. São Paulo: Saraiva.
  75. ZACKSESKI, C. M. (1997). Políticas integradas de segurança urbana: modelos de respostas alternativas à criminalidade de rua. Florianópolis.
  76. ZACKSESKI, C., & DUARTE, E. C. (2012). Garantismo e eficientismo penal: dissenso e convergência nas políticas de segurança urbana. In: Universidade Federal de Uberlândia. (Org.). Anais do XXI Encontro Nacional do Conpedi Ufu, p. 7112-7143. Florianópolis: Fundação Boiteux.
  77. ZAFFARONI, E. R. (1991). Em busca das penas perdidas: a perda da legitimidade do sistema penal. (T. V. Conceição, Trad.) Rio de Janeiro: Revan.
  78. ZAFFARONI, E. R., & PIERANGELI, J. H. (2011). Manual de direito penal brasileiro. vol. 1. Parte Geral. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Downloads

Não há dados estatísticos.