Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 8 (2021): Revista de Estudos Empíricos em Direito

Os advogados em cor e gênero: os impactos desiguais da pandemia da Covid-19 na advocacia do Rio de Janeiro

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v8.576
Enviado
fevereiro 16, 2021
Publicado
2021-10-24

Resumo

A pandemia da COVID-19 trouxe importantes consequências para a forma de exercer a advocacia, mas também representou graves impactos econômicos para a categoria. O estudo, baseado em pesquisa empírica realizada junto à advocacia no Estado do Rio de Janeiro, demonstra que os impactos no trabalho e na condição econômica derivados da pandemia foram maiores em relação aos negros e às mulheres, e, em análise interseccional, nas mulheres negras. A conclusão é que há uma distribuição desigual dos efeitos da pandemia em relação a estes grupos, que se demonstram vulneráveis social e economicamente. Com o intuito de se interpretar os dados encontrados, realizou-se uma revisão bibliográfica sobre os estudos raciais, feministas e do feminismo negro, que esclarecem o histórico de opressão e narrativas construídas socialmente que fazem com que ainda negros, mulheres e mulheres negras sejam discriminados no mercado do trabalho, no século XXI, em especial a mulher negra que se encontra em situação mais precarizada, por experimentar os abusos das categorias racial e de gênero conjuntamente, o que é elucidado sob a perspectiva interseccional.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ANJOS, Gabriele. A questão “cor” ou “raça” nos censos nacionais. Indicadores Econômicos FEE(Impresso), v. 41, p. 103-118, 2013.

ARRUZZA, Cinzia, BHATTACHARYA, Tithi, FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BEUVOIR, Simone. O Segundo Sexo. 1. Fatos e Mitos. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970. 4ª edição.

BRIDI, Maria Aparecida (coord). Relatório técnico-científico da pesquisa: o trabalho remoto/home office no contexto da pandemia Covid-19: trabalho docente, setores público e privado e questões de gênero – parte II (recurso eletrônico). Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Grupo de Estudos Trabalho e Sociedade, 2020. Disponível em: file:///C:/Users/ensan/Downloads/RELATRIO_PARTE_II_TTRABALHO_REMOTO_COMPLETO_-_CANVA_1_compressed_1_compressed.pdf Acesso em: 30 jan 2021.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento: contribuições do feminismo negro. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque (org.). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

COLLINS, Patricia Hill; BILGE, Sirma. Intersectionality. Polity Press. Cambridge, 2016.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas(online). 2002, vol. 10, n. 1, p 171-188.

DA SILVA, José Afonso. Comentário Contextual à Constituição. São Paulo: Malheiros Editores, 2007.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FERREIRA, Flávio. Escritórios de advocacia derrubam barreira elitista para melhorar inclusão racial: Sem cotas, novas estratégias ainda precisam avançar mais para conduzir negros à cúpula das bancas judiciais. Folha de São Paulo. São Paulo: 19 nov 2020. Disponível em:https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/11/escritorios-de-advocacia-derrubam-barreira-elitista-para-melhorar-inclusao-racial.shtml. Acesso em: 10 jan 2021.

FERREIRA, Gianmarco Loures; QUEIROZ, Marcos Vinícius Lustosa. A trajetória da Teoria Crítica da Raça: história, conceitos e reflexões para pensar o Brasil. Teoria Jurídica Contemporânea, v. 3, janeiro-junho 2018 PPGD/UFRJ – ISSN 2526-0464, p. 201-229, 2018.

FERREIRA, Ligia Fonseca. Com a palavra, LUIZ GAMA: Poemas, artigos, cartas, máximas. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2011.

FERREIRA, Lola. Cota racial levará mais negros para conselhos da OAB, mas encara obstáculos. Colaboração para o UOL. Rio de Janeiro: 17 dez 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/12/17/cota-racial-levara-mais-negros-para-conselhos-da-oab-mas-sofre-obstaculos.htm Acesso em: 17 jan 2021.

FRASER, Nancy. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição, ao reconhecimento e à representação. Estudos feministas, Florianópolis 15(2), 240, maio-agosto/2007.

GALF, Renata. Quem foi Esperança Garcia, negra escravizada reconhecida como 1ª advogada do Piauí. Folha de São Paulo. Portal Geledés em Afro-brasileiros, Esquecer? Jamais, Mulher Negra. 19 nov 2020. Disponível em: https://www.geledes.org.br/quem-foi-esperanca-garcia-negra-escravizada-reconhecida-como-1a-advogada-do-piaui/ Acesso em 07 jan 2021.

GOMES, Camilla de Magalhães. Sujeitos do performativo jurídico II: uma releitura do “povo” nos marcos de gênero e raça. Teoria Jurídica Contemporânea, v. 3, n. 1, janeiro-junho 2018, p. 64-97).

GONZALEZ, Lélia. RIOS, Flavia, LIMA, Márcia (org.). Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de janeiro: Zahar, 2020.

IBGE. PNAD COVID-19. O IBGE APOIANDO O COMBATE À COVID-19: Trabalho – desocupação, renda, afastamentos, trabalho remoto e outros efeitos da pandemia no trabalho. 2020. Disponível em: https://covid19.ibge.gov.br/pnad-covid/trabalho.php. Acesso em: 07 jan 2021.

INSTITUTO LUIZ GAMA. Para saber mais sobre LUIZ GAMA. São Paulo: 2011? Disponível em: http://www.institutoluizgama.org.br/index.php/luiz-gama. Acesso em: 06 jan 2021.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LORDE, Audre. Não existe hierarquia de opressão. IN: HOLANDA, Heloisa Buarque(org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

MACKINNON, Catharine A. Hacia una teoría feminista del Estado. Ediciones Cátedra. Universitat de Valencia. Instituto de la Mujer, 1995.

MARTONE, Rodrigo; JACOB, Pedro Colarossi. O “novo normal” dos Tribunais. Diante dos transtornos da pandemia, é inegável a possibilidade do aumento da eficiência dos tribunais brasileiros. Jota. 19 jun 2020. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e-analise/artigos/o-novo-normal-dos-tribunais-19062020 Acesso em: 05 jan 2021.

MATTOS, Patrícia Castro. A sociologia política do reconhecimento: as contribuições de Charles Taylor, Axel Honneth e Nancy Fraser. São Paulo: Annablume, 2006.

MILLETT, Kate. Política Sexual. Publicações Dom Quixote. 1970.

MOURA, Clóvis. Estratégia do imobilismo social contra o negro no mercado de trabalho. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 44-46, abr./jun. 1988a.

NASCIMENTO, Beatriz. A mulher negra no mercado de trabalho. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque (org.). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

OKIN, Susan Moller. Gênero, o público e o privado. Estudos Feministas, Florianópolis, 16(2): 440, maio-agosto/2008, p. 305-332.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. São Paulo: Paz e Terra, 2020.

QUIRINO, Raquel. Trabalho da mulher no Brasil nos últimos 40 anos. Revista Tecnologia e Sociedade, vol. 8, número 15, julio-diciembre, 2012, pp. 90-102 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Curitiba, Brasil.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

SOARES, João Pedro. Mulheres e negros são os mais afetados pela covid-19 no Brasil, aponta IBGE. DW. 24 jul 2020. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/mulheres-e-negros-s%C3%A3o-os-mais-afetados-pela-covid-19-no-brasil-aponta-ibge/a-54303900. Acesso em: 10 jan 2021.

WALLIS, William. The gig economy: how the Covid crisis has hit UK minorities hardest: Workers from ethnic communities feel abandoned as jobs and income are lost. Financial Times. London: 18 nov 2020. Disponível em: https://www.ft.com/content/01143e91-bf35-4480-b90f-cab139765e18 Acesso em: 10 jan 2021.

WANDELLI, Leonardo Vieira. O combate às condutas discriminatórias no direito do trabalho. In: FILHO, Wilson Ramos; GOSDAL, Thereza Christina; WANDELLI, Leonardo Vieira. Trabalho e Direito: Estudo contra a discriminação e patriarcalismo. Bauru: Canal 6, 2013.

Downloads

Não há dados estatísticos.