Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 9 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

Especialistas em direito e regimes autoritários no Brasil:: Estudo empírico sobre a “comissão especial de 1966”

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v9.539
Enviado
julho 29, 2020
Publicado
2022-04-01

Resumo

A ditadura militar instalada no Brasil em 1964 investiu na construção de bases jurídicas para garantir uma aparente legalidade ao golpe de Estado e às ações dele decorrentes. Para tanto, diferentes especialistas colocaram seus conhecimentos a serviço do Estado de exceção. Originado de investigação empírica, a partir de análises de trajetórias este artigo examina os capitais sócio-profissionais dos juristas indicados para comporem a Comissão Especial de 1966. Habilitados para pensar uma nova Constituição para o País, o trabalho destes agentes do direito não prosperou. Todavia, suas afinadas relações com a cúpula do Poder Executivo, associadas com suas origens sociais, formações acadêmicas, carreiras públicas e prestígios políticos, permitiram compreender as características das elites civis que apoiaram, a partir de suas expertises, aquele regime autoritário.

Referências

  1. ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.) (2010). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 22 maio 2010.
  2. ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS (2019a). Biografia de Graça Aranha. Disponível em: <http://www.academia.org.br/academicos/graca-aranha/biografia>. Acesso em: 21 maio 2019.
  3. ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS (2019b). Biografia de Levi Carneiro. Disponível em: <http://www.academia.org.br/academicos/levi-carneiro/biografia>. Acesso em: 21 maio 2019.
  4. ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS (2019c). Biografia de Peregrino Junior. Disponível em: <http://www.academia.org.br/academicos/peregrino-junior/biografia>. Acesso em: 21 maio 2019.
  5. ADORNO, S. (2019). Os aprendizes do poder. O bacharelismo liberal na política brasileira. São Paulo: Edusp.
  6. ALMEIDA, F. de (2010). A nobreza togada: as elites jurídicas e a política da Justiça no Brasil. Tese de doutoramento em Ciência Política, São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.
  7. ALMEIDA, F. de (2015). Intelectuais e reforma do Judiciário: os especialistas em direito processual e as reformas da Justiça no Brasil. Rev. Brasileira de Ciência Política, n. 17, ago. pp. 209-246. ISSN 2178-4884. DOI <http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151708>. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-33522015000300209&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 20 maio 2019.
  8. ALMINO, J. (1980). Os democratas autoritários: liberdades individuais, de associação política e sindical na Constituinte de 1946. São Paulo: Brasiliense.
  9. ANDRADE, P. de; BONAVIDES, P. (2008). História constitucional do Brasil. 9. ed. Brasília: Editora da OAB.
  10. ARAÚJO, C.; MACIEL, E. (2002). A Comissão de Alto Nível: história da Emenda Constitucional n. 1, de 1969. In: s/a. A Constituição que não foi. Brasília: Senado Federal, pp. 30-83.
  11. BOURDIEU, P. (1982). La distinction. Critique sociale du jugement. Paris: Les Éditions de Minuit.
  12. BOURDIEU, P. (1986). La force du droit. Éléments pour une sociologie du champ juridique. Actes de la recherche en sciences sociales, vol. 64, pp. 3-19.
  13. BOURDIEU, P. (2001). La noblesse d’État. Grandes écoles et esprit de corps. Paris: Les Éditions de Minuit.
  14. BOURDIEU, P. (2015). Sociologie générale. Cours au Collège de France 1981-1983 (volume 1). Paris: Seuil.
  15. BRASIL (1966). Decreto 58.198, de 15 de abril de 1966. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília: s/e, 1966. p. 4046. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-58198-15-abril-1966-399176-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 12 abr. 2019.
  16. CALICCHIO, V. (2010). Verbete consultado: Seabra Fagundes. In: ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 13 nov. 2013.
  17. CARVALHO, J. M. de (2003). A construção da ordem e teatro das sombras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
  18. CONNIFF, M. (2006). A elite nacional. In: HEINZ, F. Por outra história das elites. Rio de Janeiro: FGV, pp. 99-122.
  19. CRUZ, S. V.; MARTINS, C. E. (1984). De Castelo a Figueiredo: uma incursão na pré-história da “Abertura”. In: SORJ, B.; ALMEIDA, M. H. T. de (org.). Sociedade e política no Brasil pós-64. São Paulo: Brasiliense, pp. 8-90.
  20. DEZALAY, Y.; GARTH, B. (2002). La mondialisation des guerres de palais. La restructuration du pouvoir d’État en Amérique Latine entre notables du droit et Chicago Boys. Paris: Le Seuil.
  21. ENGELMANN, F. (2004). Diversificação do espaço jurídico e lutas pela definição do direito no Rio Grande do Sul. Tese de doutoramento em Ciência Política, Porto Alegre, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  22. FERREIRA, O. (1964). As forças armadas e o desafio da revolução. Rio de Janeiro: GRD.
  23. FIGUEIREDO, Argelina. Democracia ou reformas. São Paulo: Brasiliense, 1995.
  24. FRANCO, A. A. de M. (1982). A constituinte instituída. Rev. Ciência Política, v. 25, n. 1, jan., pp. 3-17.
  25. GASPARI, E. (2002). A ditadura envergonhada. São Paulo: Companhia das Letras.
  26. GRINBERG, L. (2009). Partido ou bode expiatório? Um estudo sobre a ARENA. Rio de Janeiro: Maud.
  27. KINZO, M. D. (1988). Oposição e autoritarismo. Gênese e trajetória do MDB. São Paulo: Vértice.
  28. LEBARON, F. (2017). Verbete “capital”. In: CATANI, A. M.; NOGUEIRA, M. A.; HEY, A. P.; MEDEIROS, C. C. C. Vocabulário Bourdieu, Belo Horizonte: Autêntica, pp.101-103.
  29. LINZ, J. (1973). The future of an authoritarian situation or the institutionalization of an authoritarian regime: the case of Brazil. In: Stepan, A. Authoritarian Brazil. Policies and future. New Haven: Yale University Press, pp. 233-254.
  30. MATTOS, M. A. V. L. (2011). Os cruzados da ordem jurídica. A atuação da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), 1945-1964. Tese de doutoramento em História Social, São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.
  31. MICELI, S. (2009). A elite eclesiástica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.
  32. PANTOJA, S. (2010). Verbete consultado: Orozimbo Nonato. In: ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 13 nov. 2013.
  33. PECHMAN, R. (2010). Verbete consultado: Levi Carneiro. In: ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 13 nov. 2013.
  34. RÁDIO CÂMARA (2013). Reportagem especial. 190 anos do Parlamento: ditadura militar. Bloco 4. Emissão em: 27 abr. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/REPORTAGEM-ESPECIAL/441275-190-ANOS-DO-PARLAMENTO---DITADURA-MILITAR-BLOCO-4.html>. Acesso em: 12 abr. 2019.
  35. REIS, A. C. K. (2010). Verbete consultado: Constituição de 1967. In: ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 22 maio 2019.
  36. RIDENTI, M. (1993). O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: EdUNESP.
  37. s/a. (2010a). Verbete consultado: Mem de Sá. In: ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 13 nov. 2013.
  38. s/a. (2010b). Verbete consultado: Themístocles Cavalcanti. In: ABREU, A. A.; LATTMAN-WELTERMAN, F.; PAULA, C. J. (coords.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro – pós-1930. 3. ed. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil; Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: <http://cpdoc.fgv.br/acervo/dhbb>. Acesso em: 13 nov. 2013.
  39. SANTOS, W. G. dos (1962). Quem dará o golpe no Brasil? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
  40. SENADO FEDERAL (1967a). Anais da República. Livro 1. Brasília: s/e. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/publicacoes/anais/asp/RP_AnaisRepublica.asp>. Acesso em: 6 nov. 2013.
  41. SENADO FEDERAL (1967b). Anais da República. Livro 2. Brasília: s/e. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/publicacoes/anais/asp/RP_AnaisRepublica.asp>. Acesso em: 7 nov. 2013.
  42. SENADO FEDERAL (1967c). Anais da República. Livro 3. Brasília: s/e. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/publicacoes/anais/asp/RP_AnaisRepublica.asp>. Acesso em: 7 nov. 2013.
  43. SUGIMOTO, L. (2013). Na gênese da OAB: pós-doutorado analisa os primórdios da entidade, que nasceu com chancela de Vargas. Jornal da Unicamp, n. 582, 2013. Disponível em: <https://issuu.com/ascom.unicamp/docs/ju_582_virando__paginas_web>. Acesso em: 21 maio 2019.
  44. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (2019). Biografia de Orozimbo Nonato. Disponível em: <http://www.stf.jus.br/portal/ministro/presidente.asp?periodo=stf&id=137>. Acesso em: 21 maio 2019.
  45. VENÂNCIO FILHO, A. (2011). Das arcadas ao bacharelismo. São Paulo: Perspectiva.
  46. WEFFORT, F. (1979). O populismo na política brasileira. In: FURTADO, C. Brasil: tempos modernos. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 15-78.
  47. WOHNRATH, V. (2014). Trajetórias, redes e itinerários políticos dos construtores da Lei n. 6.697/1979. Rev. Estudos de Sociologia, v. 19, n. 36, jun., pp. 183-204. ISSN 1982-4718. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/estudos/article/view/5790>. Acesso em 20 maio 2019.
  48. WOHNRATH, V. (2017). Duas dinâmicas, dois resultados: a Igreja Católica na Assembleia Nacional Constituinte 1987-1988. Rev. Pro-Posições, v. 28, n. 3, dez., pp. 242-270. ISSN 1980-6248. DOI: <http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2017-0020>. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-73072017000300242&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em 24 maio 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.