Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 8 (2021): Revista de Estudos Empíricos em Direito

Pretores condenando a casta? a atuação do Supremo Tribunal Federal no julgamento do "Foro Privilegiado".

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v8i.524
Enviado
junho 1, 2020
Publicado
março 7, 2021

Resumo

Como se comporta o Supremo Tribunal Federal (STF), quando investido no papel de Corte de primeira instância, para o julgamento das ações penais originárias”? As hipóteses de foro por prerrogativa de função, também conhecidas pela expressão “foro privilegiado”, embora presentes ocasionalmente em um conjunto de países, são um fenômeno associado a desenhos institucionais originários de transições democráticas, notadamente às Constituições latino-americanas. No Brasil ganharam notoriedade a partir do julgamento da ação penal nº 470, resultante do escândalo do “mensalão”, em que diversos atores do Executivo e do Legislativo foram condenados, em virtude de condutas ilícitas, anteriormente praticadas durante o exercício de mandato eletivo e/ou de função pública nas mais altas esferas decisórias. Partindo das hipóteses de que a Corte Suprema é seletiva quanto aos processos que leva a julgamento e que muitas vezes opta por condutas autorrestritas, especialmente em situações que fogem ao exercício estrito da revisão judicial, esta pesquisa dedica-se à compreensão empírica de tal fenômeno, através da análise de dados originais, codificados a partir de informações públicas disponíveis no sítio eletrônico do Supremo Tribunal Federal, testando prováveis relações associativas entre a conduta dos julgadores e as características das ações penais originárias a eles submetidas. Como resultado, foi possível observar a predominância de uma estratégia de autopreservação utilizando para tanto padrões de seletividade, dentro dos quais há variação comportamental (decisória) conforme variam alguns dos fatores.

Referências

  1. Arantes, R. B. (2007). Ministério Público na Fronteira entre a Justiça e a Política. Justitia, 64(197), 325-335.
  2. Arguelhes, D. W., & Ribeiro, L. M. (2018). Ministrocracy: The Individual Supreme Court in Brazilian Democracy. Novos Estudos CEBRAP, 37(1), 13-32.
  3. Baum, L. (2009). Judges and their audiences: A perspective on judicial behavior. Princeton: Princeton University Press.
  4. Bowie, J. B., & Songer, D. R. (2009, june). Assessing the Applicability of Strategic Theory to Explain Decision Making on the Courts of Appeals. Political Research Quarterly, 62(2), 393-407.
  5. Carvalho, E. (2005). Revisão judicial abstrata da legislação e a judicialização da política no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil.
  6. Cintra, A. C. de A., Grinover, A. P., & Dinamarco, C. R. (2001). Teoria Geral do Processo. São Paulo: Malheiros.
  7. Costa, A. A., Carvalho, A. D. Z. de, & Farias, F. J. de F. (2016). Controle de constitucionalidade no Brasil: eficácia das políticas de concentração e seletividade. Revista Direito GV, 12(1), 155-187.
  8. Da Ros, L. (2017). Em que ponto estamos? Agendas de pesquisa sobre o Supremo Tribunal Federal no Brasil e nos Estados Unidos. In F. Engelman (Org.), Sociologia Política das Instituições Judiciais (pp. 57-97). Porto Alegre: Editora da UFRGS/CEGOV.
  9. Dantas, H., & Gomes Neto, J. M. W. (2016, junho). E a Justiça? Podemos ao menos questioná-la? Brasil em Foco, Fundação Konrad Adenauer.
  10. Demaris, A. (1992). Logit Modeling: Practical Applications. Newbury Park: SAGE.
  11. Epstein, L., & Knight, J. (1998). The Choices Justices Make. Washington, D. C.: Congressional Quarterly.
  12. Escrivão Filho, A., & Sousa Júnior, J. G. (2016). Para um debate teórico, conceitual e político sobre os direitos humanos. Belo Horizonte: Livraria D'Plácido.
  13. Falcão, J. (2015). O Supremo: compreenda o poder, as razões e as consequências das decisões da mais alta Corte do Judiciário no Brasil. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, Fundação Getúlio Vargas.
  14. Falcão, J. et al. (2017). V Relatório Supremo em números: o foro privilegiado e o Supremo. Rio de Janeiro: FGV.
  15. GILLMAN, H. (2001). What's Law Got to Do with It? Judicial Behavioralists Test the “Legal Model” of Judicial Decision Making. Law & Social Inquiry, 26(2), 465-504.
  16. Gomes Neto, J. M. W. (2012). As várias faces de um leviathan togado: um espectro das abordagens teóricas em ciência política acerca do fenômeno da judicial politics. Mnemosine Revista, 3, 107-120.
  17. Koerner, A. (2017). Política e direito na suprema corte norte-americana: debates teóricos e estudos de caso. Ponta Grossa: Editora UEPG.
  18. Mendes, G. F., Coelho, I. M., & Branco, P. G. (2017). Curso de Direito Constitucional. São Paulo: Saraiva.
  19. Moreira, R. (2003, jul./set.). A competência por prerrogativa de função. Revista Brasileira de Direito Público, 1(2),
  20. Levin, J. et al. (2012). Estatística para ciências humanas. São Paulo: Pearson.
  21. Lima, F. D. S. (2014). Jurisdição constitucional e política: ativismo e autocontenção no STF. Curitiba: Juruá.
  22. Lima, F. D. S., & Gomes Neto, J. M. W. (2018). Autocontenção à brasileira? Uma taxonomia dos argumentos jurídicos (e estratégias políticas?) explicativo(a)s do comportamento do STF nas relações com os poderes majoritários. Revista de Investigações Constitucionais, 5(1), 221-247.
  23. Lima, F. D. S., Gomes Neto, J. M. W., & Barbosa, L. V. Q. (2016). Exploring the Wonderful Mystery of Time: Lack of Grounds in Constitutional Judicial Review as an Evidence of Passive Virtues in Brazilian Supreme Court (STF). In 24th IPSA World Congress of Political Science, Montreal, Canada.
  24. Tavares Filho, N. (2016). Foro privilegiado: pontos positivos e negativos. Brasília: Consultoria Legislativa da Câmara dos deputados.
  25. Tonelli, M. L. Q. (2016). Todas as ditaduras do século 20 foram jurídicas. Revista do Instituto Humanitas Unisinos, 15(494), 25-33.
  26. Segal, J. A., & Spaeth, H. J. (2002). The Supreme Court and the attitudinal model revisited. New York: Cambridge University Press.

Downloads

Não há dados estatísticos.