Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 8 (2021): Revista de Estudos Empíricos em Direito

A Interpretação do direito privado no Superior Tribunal de Justiça e a utilização do discurso “constitucionalizante”

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v8i.479
Enviado
dezembro 20, 2019
Publicado
fevereiro 20, 2021

Resumo

Mediante o desenvolvimento de pesquisa empírica na base de jurisprudência disponível no sitio eletrônico do Superior Tribunal de Justiça (STJ), delimitada no período de 07/04/1989 a 01/12/2017, com o emprego dos metadados “constitucionalização”; “civil-constitucional”; “despatrimonialização”; “repersonalização direito civil”; “publicização direito civil” e “eficácia dos direitos fundamentais”, este último com e sem aspas, buscou-se investigar a utilização do discurso constitucionalizante na jurisprudência daquele Tribunal e se constatou, alicerçados nos resultados encontrados, que os fundamentos constitucionais são frequentemente utilizados para a solução das lides, a despeito da legislação ordinária existente. A metodologia empregada neste estudo foi empírica e hipotético-dedutiva. A discussão, portanto, sobre a Teoria do Direito Civil-Constitucional passa a ser de fundamental importância para a correta compreensão e aplicação das categorias e conceitos do Direito Civil ante as situações práticas apresentadas.

Referências

  1. AgInt no AREsp 330494/SP, rela. ministra Maria Isabel Gallotti, Quarta Turma, julgado em 29/09/2016, publicado no DJe de 05/10/2016. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/ jurisprudencia/doc.jsp?livre=330494&b=ACOR&p=true&t=JURIDICO&l=10&i=2
  2. Barroso, L. R. (2005, abril). Neoconstitucionalismo e constitucionalização do Direito (O triunfo tardio do direito constitucional no Brasil). Revista de Direito Administrativo, 240, 1-42. ISSN 2238-5177. Disponível em: http://dx.doi.org/10.12660/rda.v240.2005.43618
  3. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988, 5 de outubro). Brasília: Casa Civil da Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituicao.htm
  4. Fachin, L. E. (2008). Questões do Direito Civil brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro: Renovar.
  5. HC 12.547/DF, rel. ministro Ruy Rosado de Aguiar, Quarta turma, julgado em 01/06/2000, publicado no DJ de 12/02/2001, p. 115. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/ doc.jsp?livre=12547&b=ACOR&p=true&l=10&i=1
  6. Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973. (1973, 31 de dezembro). Dispõe sobre os registros públicos, e dá outras providências. Brasília: Casa Civil da Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6015compilada.htm
  7. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. (2002, 10 de janeiro). Institui o Código Civil. Brasília: Casa Civil da Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/ 2002/l10406.htm
  8. Lôbo, P. L. N. (1999, janeiro/março). Constitucionalização do Direito Civil. Revista de Informação Legislativa, 36(141), 99-109.
  9. Moraes, M. C. B. de (2006, julho/dezembro). A constitucionalização do Direito Civil e seus efeitos sobre a responsabilidade civil. Direito, Estado e Sociedade, 9(29), 233-258.
  10. Moraes, M. C. B. de (2010). Na medida da pessoa humana: Estudos de direito Civil-Constitucional. Rio de Janeiro: Renovar.
  11. Reis, T. (2017, abril/junho). Dogmática e Incerteza Normativa: Crítica ao Substancialismo Jurídico do Direito Civil-Constitucional. Revista de Direito Civil Contemporâneo, 11(4), 214-238.
  12. REsp 1183378/RS, rel. ministro Luis Felipe Salomão, Quarta turma, julgado em 25/10/2011, publicado no DJe de 01/02/2012. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc. jsp?livre=1179259&b=ACOR&p=true&l=10&i=1
  13. REsp 1179259/MG, rela. ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, julgado em 14/05/2013, publicado no DJe de 24/05/2013. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc. jsp?livre=1179259&b=ACOR&p=true&l=10&i=1
  14. REsp 1334097/RJ, rel. ministro Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, julgado em 28/05/2013, publicado no DJe de 10/09/2013. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc. jsp?livre=1334097&b=ACOR&p=true&t=JURIDICO&l=10&i=12
  15. REsp 1335153/RJ, rel. ministro Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, julgado em 28/05/2013, publicado no DJe de 10/09/2013. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc. jsp?livre=1335153&b=ACOR&p=true&t=JURIDICO&l=10&i=7
  16. REsp 1365279/SP, rel. ministro Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, julgado em 25/08/2015, publicado no DJe de 29/09/2015. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc. jsp?livre=1365279&b=ACOR&p=true&l=10&i=1
  17. REsp 1626739/RS, rel. ministro Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, julgado em 09/05/2017, publicado no DJe de 01/08/2017. Disponível em: http://www.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/tc. jsp?livre=1626739&&tipo_visualizacao=RESUMO&b=ACOR&thesaurus=JURIDICO&p=true
  18. Rodrigues, O. L., Jr. (2014, outubro/dezembro). Entrevista com Nelson Nery Jr. Revista de Direito Civil Contemporâneo, 1, 367-388.
  19. Schreiber, A. (2013). Direito Civil e Constituição. São Paulo: Atlas.
  20. Silva, V. A. da (2014). A constitucionalização do direito: Os direitos fundamentais nas relações entre particulares (1a ed. 4a tir.). São Paulo: Malheiros.
  21. Streck, L. L. (2012, abril/junho). Do pamprincipiologismo à concepção hipossuficiente de princípio: Dilemas da crise do Direito. Revista de Informação Legislativa, 19(194), 7-21.
  22. Superior Tribunal de Justiça. (2004). A era digital. Disponível em: http://www.stj.jus.br/sites/STJ/ default/pt_BR/Institucional/História/A-era-digital
  23. Tepedino, G. (2008, abril/junho). Entrevista com Antonio Junqueira de Azevedo. Revista Trimestral de Direito Civil, 34, 299-308.

Downloads

Não há dados estatísticos.