O núcleo de práticas jurídicas como instrumento de acesso à justiça cível

uma realidade local

Palavras-chave: acesso à Justiça, Núcleo de Práticas Jurídicas, Universidade do Contestado, Canoinhas, SC

Resumo

A busca pelo acesso à justiça faz parte das transformações sociais que ocorreram na sociedade, conforme bem descrevem os períodos denominados de “ondas renovatórias”. Contudo, alguns obstáculos são enfrentados no caminho pela busca desta Justiça. Este artigo tem por escopo mostrar a importância do Núcleo de Práticas Jurídicas do curso de direito da Universidade do Contestado para a Comarca de Canoinhas/SC, como instrumento garantidor deste princípio. Neste diapasão, os usuários atendidos pelo núcleo são economicamente carentes e requerem atendimentos na área cível, além de respostas para questões jurídicas a serem sanadas por alunos e um docente advogado, professor orientador. A pesquisa tem o objetivo de coletar informações junto ao NPJ da Universidade do Contestado, campus Canoinhas/SC, o qual atua aproximadamente a 10 anos junto ao Curso de Direito, bem como, averiguar sua atuação e percepção do núcleo frente a comunidade usuária, e sua respectiva contribuição diante da formação dos acadêmicos, futuros operadores do direito. Neste sentido, a pesquisa foi exploratória, quanto a aplicação de questionários para acadêmicos e clientes com o intuito de verificar a atuação bem como confirmar se o NPJ possibilitou a contemplação do acesso a justiça na comunidade local por meio das ações propostas, e ainda, documental no que tange a análise de todos os registros processuais promovidos no decorrer dos anos de 2002 a 2016.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielly Borguezan, Universidade do Contestado
[1] Advogada, Coordenadora do Curso de Direito, Universidade do Contestado campus Canoinhas; Mestre em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas – Cnpq; Membro do Grupo de Estudo em Giorgio Agamben. Universidade do Contestado (UnC). Santa Catarina. Brasil. E-mail: dany.borguezan@hotmail.com
Sandro Luiz Bazzanella, Universidade do Constestado

Professor de Filosofia; Mestre em Educação e Cultura pela Universidade do Estado de Santa Catarina. Doutor Interdisciplinar em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Docente do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado. Líder do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas – Cnpq; Coordenador do Grupo de Estudo em Giorgio Agamben – Universidade do Contestado

Carolina Fernandes

Advogada

Referências

ARAÚJO, Janaina Andrade Tenório. Perdas E Separação: Um Estudo Sobre Os Impactos Do Divórcio. 2013. 124 f.Dissertação (Mestrado) - Curso de Psicologia Clínica, Universidade Católica de Pernambuco, Recife. Disponível em: http://www.unicap.br/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=966. Acesso em: 07 set. 2018.

BRASIL. Em 10 anos, taxa de divórcios cresce mais de 160% no País. 2017. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2015/11/em-10-anos-taxa-de-divorcios-cresce-mais-de-160-no-pais. Acesso em: 07 set 2018.

CAMPOS JÚNIOR, Eduardo Gomes da Costa. Núcleo De Prática Jurídica E O Acesso à Justiça: Dados Empíricos E Percepções Da Materialização Do Direito Em Uma Comarca De 1 Entrância.2017. 219 f. Dissertação (Mestrado) – Curso de Direito, Universidade Católica de Pernambuco, 2017. Disponível em: http://www.unicap.br/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1277. Acesso em: 26 ago. 2018.

CONSUN, Conselho universitário de 2016. Resolução UnC-CONSUN 012/2013. Dispõe sobre o Projeto Pedagógico do Curso de Direito. 23 abr. 2013. Disponível em: https://www.unc.br/editais/documentos/Resolu__o%20UnC%20CONSUN%20012%202013.pdfAcesso em: 03 jun. 2018.

FRATTARI, Rafhael. O projeto de pesquisa e a iniciação científica em Direito. Editora Meritum. Revista de Direito FUMEC, Belo Horizonte, v. 9, n. 1, p. 231-263, jan.-jun. 2014.

MEZZAROBA, Orides; MONTEIRO, Cláudia Servilha. Manual de metodologia da pesquisa no Direito. 7ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2017.

NINGELISKI, Adriane de Oliveira. Acesso à justiça pelos caminhos da mediação. 1 ed. Florianópolis, SC: Empório do Direito, 2017.

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, Seccional de Santa Catarina. Resolução nº 01/2016, de 14 de janeiro de 2016. Altera a Resolução nº 10, de 26 de fevereiro de 2014, que dispõe sobre a Tabela de Honorários organizada pela Ordem dos Advogados do Brasil Seccional de Santa Catarina e dá outras providencias. Florianópolis, SC, 14 jan. 2016. Disponível em: <http://www.oab-sc.org.br/tabela-honorarios>. Acesso em: 13 set. 2018.

PEREIRA, José Matias. Manual de Metodologia da Pesquisa Científica, 4ª edição. São Paulo: Atlas, 2016. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/978859700882. Acesso em: 09 set. 2018.

PÉRES, Quiteria Tamanini Vieira. Vamos conciliar? Elementos para o aprimoramento da desafiadora tarefa de intermediar a pacificação do conflito.1ª edição. Florianópolis: Editora Habitus, 2018.

SADEK, Maria Tereza Aina. Acesso à Justiça: Um direito e seus obstáculos. REVISTA USP, São Paulo, n. 101, março/abril/maio de 2014. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i101p55-66. Acesso em: 12 set. 2018.

SILVA, José Elio Ventura da. As dimensões do acesso à justiça e a sua relação com os Núcleos de Prática Jurídica de instituições de ensino superior. 2014. 104 f. Dissertação (Mestrado em direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Universidade Católica de Pernambuco – UNICAP, Recife, 2014. Disponível em: http://www.unicap.br/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1044. Acesso em: 20 mai. 2018.

THEODORO JUNIOR, Humberto. Novo Código de Processo Civil Anotado, 21ª edição. Forense. 2018. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788530978747/cfi/6/14!/4/450/2@0:100. Acesso em: 13 set. 2018.

Publicado
2020-09-20
Como Citar
Borguezan, D., Bazzanella, S. L., & Fernandes, C. (2020). O núcleo de práticas jurídicas como instrumento de acesso à justiça cível: uma realidade local. Revista De Estudos Empíricos Em Direito, 7(3), 163-177. https://doi.org/10.19092/reed.v7i3.448