Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos

v. 8 (2021): Revista de Estudos Empíricos em Direito

O dano moral por negativa de Home Care nos contratos de saúde: uma análise jurimétrica do TJ/SP

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v8i.444
Enviado
setembro 26, 2019
Publicado
fevereiro 19, 2021

Resumo

O presente trabalho buscou analisar o posicionamento do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ/SP) em relação à concessão de indenização no pleito por danos morais por negativa de tratamento domiciliar (home care) nos contratos de saúde desde a edição da Súmula n.º 90 do TJ/SP. Para tanto, utilizou-se como método de procedimento a jurimetria, pautada na estatística, tendo por técnica de pesquisa a análise de conteúdo dos acórdãos analisados, extraindo deles os fundamentos jurídicos utilizados pelos desembargadores. Assim foi possível quantificar o número percentual de pleitos por danos morais julgados procedentes e improcedentes, bem como sua distribuição por órgão julgador; determinar a medida representativa das condenações em valores monetários; e identificar as principais teses jurídicas utilizadas como fundamento para procedência ou improcedência do pleito moral indenizatório.

Referências

  1. Barbosa, C. M., & Menezes, D. F. N. (2016). Jurimetria e Gerenciamento Cartorial. Revista de Política Judiciária, Gestão e Administração da Justiça, 2 (1), p.280-295.
  2. Brasil. Conselho Nacional de Justiça. (2008). Resolução n.º 65. Dispõe sobre a uniformização do número dos processos nos órgãos do Poder Judiciário e dá outras providências. Recuperado em 05 de Agosto de 2018, de: <http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=2748>.
  3. Brasil. Conselho Nacional de Justiça. (2010). Resolução n.º 121. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. Recuperado em 05 de Agosto de 2018, de: <http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=2585>.
  4. Brasil. Presidência da República. (2015). Lei n.º 13.105, de 16 de Março de 2015. Código de Processo Civil. Recuperado em 05 de Agosto de 2018, de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13105.htm>.
  5. Brasil. Superior Tribunal de Justiça. (1992). Súmula n.º 37. São cumuláveis as indenizações por dano material e dano moral oriundos do mesmo fato. Recuperado em: 05 de Agosto de 2018, de:<http://www.stj.jus.br/SCON/sumanot/>.
  6. Cahali, Y. S. (2011). Dano moral. (4ª ed). São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.
  7. Cavalieri Filho, S. (2012). Programa de Responsabilidade Civil. (10ª ed). São Paulo: Atlas.
  8. Epstein, L., & King, G. (2013). Pesquisa Empírica em Direito: as regras de inferência [Livro Eletrônico]. (Vários trad). São Paulo: Direito GV.
  9. Gonçalves, C. R. (2012). Direito Civil Brasileiro, Volume 4: responsabilidade. (7ª ed). São Paulo: Saraiva.
  10. Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2017a). Metodologia Científica. (7ª ed). São Paulo: Atlas.
  11. Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2017b). Técnicas de Pesquisa. (8ª ed). São Paulo: Atlas.
  12. Marques, C. L. (2004). Superação das antinomias pelo Diálogo das Fontes: o modelo brasileiro de coexistência entre o Código de Defesa do Consumidor e o Código Civil de 2002. Revista da Escola Superior da Magistratura de Sergipe, 7, p. 15-54.
  13. Nunes, M. G. (2016). Jurimetria: como a estatística pode reinventar o direito. São Paulo: Revista dos Tribunais.
  14. Oliveira Jr., Z. D. (2018). Comentário ao Art. 371 do CPC/2015. In.: F. F. Gajardoni, L. Dellore, A. V. Roque, & Z. D. Oliveira Jr. (Orgs.). Processo de Conhecimento e Cumprimento de Sentença: comentários ao CPC de 2015, Vol. 2 (2ª ed; p.251-258). Rio de Janeiro: Forense; São Paulo: Método.
  15. Reginato, A. A., & Alves, R. C. J. (2014). O ementário jurisprudencial como fonte de pesquisa: uma análise crítica a partir dos dados obtidos no estudo “A prática judicial do habeas corpus em Sergipe (1996-2000). Revista de Estudos Empíricos em Direito, 1 (1), p. 140-153. https://doi.org/10.19092/reed.v1i1.11.
  16. Rosas, R. (2011). Segurança Jurídica. Efetividade. Jurisprudência. Revista de Informação Legislativa, 48 (190), p. 215-220.
  17. São Paulo (Estado). Governo do Estado de São Paulo. (2018). Piso salarial. Recuperado em 31 de Julho de 2018, de: <http://www.emprego.sp.gov.br/pesquisa-e-servicos/piso-salarial-regional-de-sp/>.
  18. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2012a). Acórdão. Apelação 9152730-28.2009.8.26.0000. 1ª Câmara de Direito Privado. Rel.: Rui Cascaldi. Recuperado em 23 de Abril de 2018, de: <http://esaj.tjsp.jus.br/>.
  19. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2012b) Súmula n.º 90. Havendo expressa indicação médica para a utilização dos serviços de “home care”, revela-se abusiva a cláusula de exclusão inserida na avença, que não pode prevalecer. Recuperado em 30 de Julho de 2018, de <http://www.tjsp.jus.br/Download/SecaoDireitoPrivado/Sumulas.pdf>.
  20. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2013). Acórdão. Apelação 0005939-69.2010.8.26.0564. 6ª Câmara de Direito Privado. Rel.: Francisco Loureiro. Recuperado em 24 de Maio de 2018, de: <http://esaj.tjsp.jus.br/>.
  21. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2016a). Acórdão. Apelação 1013608-54.2014.8.26.0100. 7ª Câmara de Direito Privado. Rel.: José Rubens Queiroz Gomes. Recuperado em 13 de Junho de 2018, de:<http://esaj.tjsp.jus.br/>.
  22. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2016b). Acórdão. Apelação 1024801-61.2017.8.26.0100. 2ª Câmara de Direito Privado. Rel.: Álvaro Passos. São Paulo. Des. divergente: L. B. Giffoni Ferreira. Declaração de Voto n.º 19380. Recuperado em 11 de Agosto de 2018, de:<http://esaj.tjsp.jus.br/>.
  23. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2018a). Consulta completa de jurisprudência. Recuperado em 30 de Julho de 2018, de <https://esaj.tjsp.jus.br/cjsg/consultaCompleta.do>.
  24. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2018b). Operadores Lógicos. Recuperado em 05 de Agosto de 2018, de <https://esaj.tjsp.jus.br/WebHelp//#id_operadores_logicos.htm>.
  25. São Paulo (Estado). Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. (2018c). Seção de Direito Privado. Recuperado em 05 de Agosto de 2018, de <http://www.tjsp.jus.br/SecaoDireitoPrivado>.
  26. Silva, A. S., & Coelho, N. M. M. S. (2010). o ensino do direito no nosso tempo: história, diagnósticos e exigências éticas para uma educação jurídica de qualidade no Brasil. Salvador: Faculdade Baiana de Direito.
  27. Stocco, R. (2011). Tratado de responsabilidade civil: doutrina e jurisprudência. (8ª ed.). São Paulo: Editora revista dos Tribunais.
  28. Tartuce, F. (2011). Direito das Obrigações e Responsabilidade Civil. (6ª ed). Rio de Janeiro: Forense – São Paulo: Método.
  29. Taruffo, M. (2014). Precedente e giurisprudenza. Civilistica.com., 3 (2), p. 1-16.
  30. Veçoso, F. F. C. [et al]. (2014). A pesquisa em direito e as bases eletrônicas de julgados dos tribunais: matrizes de análise e aplicação no supremo tribunal federal e no superior tribunal de justiça. Revista de Estudos Empíricos em Direito, 1 (1), p. 105-139. https://doi.org/10.19092/reed.v1i1.10
  31. Venosa, S. S. (2010). Direito Civil: Responsabilidade Civil. (10ª ed). São Paulo: Atlas.

Downloads

Não há dados estatísticos.