Ministério Público, Autonomia Funcional e Discricionariedade: ampla atuação em políticas públicas, baixa accountability

Palavras-chave: Ministério Público, autonomia, discricionariedade, accountability.

Resumo

A literatura nacional já avançou no reconhecimento dos atores do sistema de justiça como atores com poder de veto e de interferência no policy making (Taylor, 2008),por meio de suas decisões, sejam elas judiciais ou extrajudiciais. Os estudos sobre estes atores, contudo, concentra-se especialmente na atuação de juízes, sendo ainda escassos trabalhos voltados para outros membros do sistema de justiça. O presente trabalho visa lançar luz sobre a atuação de promotores do Ministério Público, cuja autonomia e discricionariedade é fator essencial na seleção e condução de casos concretos. Assumindo o pressuposto de que o principal poder discricionário de um promotor de justiça diz respeito à possibilidade de não investigar ou processar, isto é, não dar encaminhamento a alguns casos que lhe chegam ao conhecimento, este trabalho é um primeiro esforço de atender a lacuna teórica apontada. Trata-se de uma pesquisa exploratória, baseada em metodologia qualitativa, por meio da análise de documentos do Ministério Público, em especial as Recomendações do CNMP que tratam sobre autonomia. Demonstramos que a tendência de “autonomia sem accountability” (Kerche, 2007; Kerche et al., 2019), observada desde o início do processo de construção institucional do órgão, não apenas se manteve presente como vem sendo reforçada por atos e normas do CNMP. Por outro lado, não há um movimento institucional no sentido de ampliar a accountability, fazendo com que a atuação de promotores e procuradores seja pouco transparente para além do que está descrito nos processos administrativos ou judiciais. A autonomia é ampla, o controle é baixo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Elias de Oliveira, UFABC
Doutora em Ciência Política pela USP, professora e coordenadora da Pós-Graduação em Políticas Públicas da UFABC.
Gabriela Spanchero Lotta, FGV/SP
Professora da Escola de Administração da FGV/SP

Referências

ARANTES, Rogério B. (2002). Ministério Público e Política no Brasil. 1ª. ed. São Paulo: Sumaré/Educ..

BONELLI, Maria da Glória (2002). Profissionalismo e Política no Mundo do Direito. São Carlos: EdUFSCar, Editora Sumaré.

COSLOVSKY, Salo (2008). “Respeito às Normas e Crescimento Econômico: como promotores públicos garantem o cumprimento das leis e promovem o crescimento econômico no Brasil”. IPEA, Texto para Discussão nº 1355, Brasília.

COSLOVSKY, Salo (2011). “Relational Regulation in the Brazilian Ministério Público: the organizational basis of regulatory responsiveness”. Regulation & Governance 5, 70-89.

DUBOIS, V. (1999). La vie au guichet. Relation administrative et traitement de la misère. Paris: Economica.

FREITAS, Henrique; OLIVEIRA, Mírian; SACCOL, Amarolinda; MOSCAROLA, Jean. (2000). “O método de pesquisa survey”. Revista de Administração, São Paulo, vol.35, n.3, p.105-112.

KERCHE, Fábio. (2007). “Autonomia e discricionariedade do Ministério Público no Brasil”. Dados, 50(2), 259-279.

KERCHE, Fábio; OLIVEIRA, Vanessa E.; COUTO, Cláudio G. (2019). “CNJ e CNMP: Instrumentos de Accountability?”. Mimeo, Rio de Janeiro, São Paulo.

MAYNARD-MOODY, S.; MUSHENO, M. (2003). Cops, Teachers, Counselors: Narratives of Street-Level Judgment. Ann Arbor: University of Michigan Press.

MAYNARD-MOODY, S.; MUSHENO, M. (2001). Social equities and inequities in practice. Public Administration Review, v. 71, n. S1, p. S16–S23.

MØLLER, M. Ø. (2016). “She isn’t someone I associate with Pension” - A vignette study of professional reasoning. Professions & Professionalism, v. 6, n. 1.

HUPE, Peter; HILL, Michael. (2007). “Street-Level Bureaucracy and Public Accountability.” Public Administration 85 (2):279–99 https://doi.org/10.1111/j.1467-9299.2007.00650.x.

LEMGRUBER, J.; RIBEIRO, L.; MUSUMECI, L.; DUARTE, T. (2016). Ministério Público: Guardião da Democracia Brasileira? Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec), Rio de Janeiro.

LIPSKY, M. (2010). Street-level bureaucracy: dilemmas of the individual in public service. New York: Russell Sage Foundation.

LOTTA, G. S. (2015). Burocracia e Implementação de Políticas de Saúde. Ed. Fiocruz, Rio de Janeiro.

MENDES, Conrado H.; OLIVEIRA, Vanessa E.; ARANTES, Rogério B. (Coord.). (2018). “Ações Coletivas no Brasil: temas, atores e desafios da tutela coletiva”. Relatório Analítico Propositivo, Conselho Nacional de Justiça. In: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2018/03/799b01d7a3f27f85b334448b8554c914.pdf. Acessado em 26/07/2018.

MØLLER, Marie; ØSTERGAARD, Deborah Stone. (2013). “Disciplining Disability under Danish Active Labour Market Policy.” Social Policy and Administration 47 (5):586–604.

PIRES, R. (2011). Beyond the Fear of Discretion: Flexibility, Performance, and Accountability in the Management of Regulatory Bureaucracies. Regulation & Governance, v. 5, n. 1.

RICCUCCI, N. M. (2005). Street-level bureaucrats and intrastate variation in the implementation of temporary assistance for needy family’s policies. Journal of Public Administration Research and Theory, 15, 89-111. doi:10.1093/jopart/mui005

RILEY, Dennis D. and Bryan E. Brophy-Baermann. (2006). Bureaucracy and the Policy Process. Lanham: Rowman and Littlefield.

SILVA, Cátia A. (2001). “Promotores de Justiça e Novas Formas de Atuação em Defesa de Interesses Sociais e Coletivos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol.16, nº45.

XIMENES, Salomão; OLIVEIRA, Vanessa E.; SILVA, Mariana P. (2018). “Judicialização da Educação Infantil: efeitos da interação entre o sistema de justiça e a administração pública”. Trabalho apresentado no Encontro Nacional da ANPED.

Publicado
2020-04-17
Como Citar
Oliveira, V. E. de, Lotta, G. S., & Vasconcelos, N. P. de. (2020). Ministério Público, Autonomia Funcional e Discricionariedade: ampla atuação em políticas públicas, baixa accountability. Revista De Estudos Empíricos Em Direito, 7(1), 181-195. https://doi.org/10.19092/reed.v7i1.425