A judicialização das reformas previdenciárias na jurisprudência do STF: um Tribunal amigo do equilíbrio financeiro e atuarial

  • Flávia Danielle Santiago Lima Universidade Católica de Pernambuco
  • Tassiana Moura de Oliveira Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

O presente trabalho procura responder a seguinte questão de pesquisa: qual o princípio constitucional defendido pelo STF nas decisões em matéria previdenciária no controle abstrato de constitucionalidade? O direito social à previdência social tem status de direito fundamental na constituição, contudo é uma prestação onerosa ao Estado. Os Poderes Legislativo e Executivo periodicamente modificam as regras de previdência com o objetivo de conter os gastos. Como Poder contramajoritário, o Poder Judiciário tem o dever de proteger os direitos sociais dos cidadãos impedindo que as decisões tomadas pelos outros poderes retrocedam (ou extingam) direitos conquistados na Carta de 1988. O objetivo do trabalho é saber se o STF (como órgão de cúpula do Judiciário) cumpre esse papel com o direito à Previdência Social. Para tanto, foi realizada uma análise exploratório-descritiva de “n” pequeno sobre as decisões de mérito das Ações Diretas de Inconstitucionalidade propostas contra as Emendas Constitucionais de números 20 de 1998 e 41 de 2003. O resultado encontrado foi que o STF, nas decisões analisadas, se preocupou mais em garantir o equilíbrio financeiro e atuarial do sistema do que resguardar os direitos previstos originariamente na constituição de 1988.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Danielle Santiago Lima, Universidade Católica de Pernambuco
Mestre e Doutora em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco. Advogada da União.
Tassiana Moura de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco
Mestre em Direito pela Universidade Católica de Pernambuco e Doutoranda em Ciência Política pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Andrade, L. D. de. (2015). Agenda-Setting: Análise do comportamento do Supremo Tribunal Federal no controle de constitucionalidade concreto. Recife: UNICAP/Programa de Pós-graduação em direito. Dissertação de mestrado.

AVERBUG, André; GIAMBIAGI, Fábio. A Crise Brasileira de 1998/1999 – Origens e Consequências. BNDES: Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/td/Td-77.pdf. Acesso em: 10 nov. 2016.

Brasil. (2014). Fator Previdenciário: cálculo de aposentadorias. Ministério da Previdência Social. Disponível em: <http://www.previdencia.gov.br/servicos-ao-cidadao/informacoes-gerais/valor-aposentadorias>. Acesso em: 17 ago. 2016.

Campos, M. B. L. B. (2011). Regime próprio de previdência social dos servidores públicos. 3. ed. Curitiba: Juruá.

Carvalho Neto, E. R. (2005). Revisão abstrata da legislação e judicialização da política no Brasil. São Paulo: USP/Departamento de Ciência Política, Tese de doutoramento.

Costa, A. A. & Benvindo, J. Z. (2014). A Quem Interessa o Controle Concentrado de Constitucionalidade? O Descompasso entre Teoria e Prática na Defesa dos Direitos Fundamentais (Relatório da pesquisa). Brasília: UNB/CNPQq. Disponível em: <http://www.ufjf.br/siddharta_legale/files/2014/07/Alexandra-Costa-e-Juliano-Zaiden-a-quem-interessa-o-controle.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2014.

Friedman, B. (2005). The Politics of Judicial Review. Texas Law Review, v. 84, n. 2, pp. 257-337, dec.

Kapiszewski, D. (2010). Arbitro de conflictos, creador de políticas públicas, o protector de derechos? El Supremo Tribunal Federal de Brasil em transición. In: Helmke, G. & Ríos Figueroa, J. Tribunales constitucionales em America Latina. Mexico, D.F.: Suprema Corte de Justicia de La Nación.

Mello, M. A. C. (2005). Análise da Emenda Constitucional nº 47 de 2005. Câmara dos Deputados. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/documentos-e-pesquisa/publicacoes/estnottec/tema1/2005_9810.pdf>. Acesso em: 19 mai. 2015.

Nakahodo, N. & Savoia, J. R. S. (2008). A reforma da previdência no Brasil: estudo comparativo dos governos Fernando Henrique Cardoso e Lula. Revista Brasileira de Ciências Sociais, fev. Disponível em: <http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=10706603>. Acesso em 13 mai. 2015.

Pinheiro, A. C. P. (2005). Judiciário, reforma e economia: a visão dos magistrados. Disponível em: <http://www.febraban.org.br/Arquivo/Destaques/Armando_Castelar_Pinheiro2.pdf>, p. 20. Acesso em: 20 mai. 2015.

Ribeiro, R. S. (2012). Política e Economia na Jurisdição Constitucional Abstrata. Revista Direito GV, v. 8. São Paulo, jan-jun.

Rocha, D. M. (2004). O Direito Fundamental à Previdência Social: na perspectiva dos princípios constitucionais diretivos do sistema previdenciário brasileiro. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Sundfeld, C. A. et al. (2010). Controle de constitucionalidade e judicialização: o STF frente à sociedade e aos Poderes. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas. Projeto Observatório da Justiça Brasileira. Ministério da Justiça. Disponível em: <http://democraciaejustica.org/cienciapolitica3/sites/default/files/controle_de_constitucionalidade_e_judicializacao.pdf>. Acesso em: 18 nov. 2011, p. 28.

Taylor, M. M. (2007). O judiciário e as políticas públicas no Brasil. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 50, n. 2, pp. 229-257. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/dados/v50n2/a01v50n2.pdf>. Acesso em 20 mai. 2015.

____________. (2008). Judging Policy: Courts and Policy Reform in democratic Brazil. Stanford University Press: Stanford, California.

Taylor, M. M. & Da Ros, L. (2008). Os partidos dentro e fora do poder: a judicialização como resultado contingente da estratégia política. DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 51, n. 4, pp. 825-864, pp. 840-842.

VIANNA, Luiz Werneck et al. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Iuperj/Revan, 1999.

Vianna, L. W.; Burgos, M. B. & Salles, P. M. (2007). Dezessete anos de judicialização da política. Tempo Social (Revista de Sociologia da USP), v. 19, n. 2, pp. 39-85. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ts/v19n2/a02v19n2.pdf>. Acesso em 22 jul. 2015.

Publicado
2017-02-14
Como Citar
Santiago Lima, F. D., & Oliveira, T. M. de. (2017). A judicialização das reformas previdenciárias na jurisprudência do STF: um Tribunal amigo do equilíbrio financeiro e atuarial. Revista De Estudos Empíricos Em Direito, 4(1). https://doi.org/10.19092/reed.v4i1.113