Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 10 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

O impacto da pandemia nos casos de violência doméstica e familiar contra a mulher e o acesso à justiça: um estudo qualitativo para identificar as barreiras e aprimorar a resposta do Poder Judiciário

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v9.695
Enviado
dezembro 2, 2021
Publicado
2023-01-12

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar resultados preliminares de pesquisa desenvolvida acerca da atuação dos/as representantes das instituições do sistema de justiça durante a pandemia da Covid-19 no ano de 2020. O pressuposto é o de que a abordagem do acesso à justiça por meio de pesquisas e censos que utilizam fontes oficiais não é capaz de identificar as cifras ocultas que envolvem a violência doméstica, isto é, as vítimas que por algum motivo não conseguiram acessar os serviços do sistema de justiça. Para tanto, a equipe de pesquisa elegeu como fonte documental as atas das reuniões realizadas pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de violência doméstica (COEM). Trata-se de um órgão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJERJ) que por meio de reuniões periódicas atuou de forma estratégica nas respostas à pandemia de Covid-19 na identificação de problemas de acesso à justiça e integração de uma rede de enfrentamento. Como procedimentos metodológicos, utilizou-se a Análise Situacional, para codificar e sistematizar os resultados encontrados: identificação de entraves ao acesso, da forma de atuação das instituições. Observamos que a metodologia utilizada, pautada em procedimentos casuísticos e indutivos, pode ser uma ferramenta importante a ser utilizada pelas instituições para o tratamento do tema. Também buscamos trazer reflexões acerca da utilização de técnicas quantitativas e qualitativas na pesquisa empírica que envolve violência contra as mulheres.

Referências

  1. ACNUDH. (2020). Declaración del Grupo de trabajo sobre la discriminación contra las mujeres y niñas. Las respuestas a la pandemia de COVID-19 no deben descartar a las mujeres y niñas. Disponível em: https://www.ohchr.org/SP/NewsEvents/Pages/DisplayNews.aspx?Ne-wsID=25808&LangID=S. Acesso em 10 mar. 2021.
  2. ARAÚJO JÚNIOR, João Marcelo. (1996). Vitimação entre estudantes de Direito da UERJ: um estudo de criminografia (violência e criminalidade ­ tríplice violação da cidadania). In: Revista Brasileira de Ciências Criminais. Vol. 16, São Paulo: out./dez.
  3. BRASIL. (2006). Lei 11.340/06, de 6 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, Brasília, DF.
  4. BODELÓN, Encarna. (2013). Violencia de género y las respuestas de los sistemas penales. Ediciones Didot.
  5. BUENO, Samira. & LIMA, Renato. (coords) (2020). Anuário de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
  6. BUENO, Samira. & LIMA, Renato. (coords) (2021). Anuário de Segurança Pública. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
  7. BUENO, Samira. et al (2021). Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil - 3ª edição. Fórum Brasileiro de Segurança Pública.
  8. CÂMARA, Gustavo. (2008). Programa de política criminal: orientado para a vítima de crime. São Paulo: Ed. Coimbra.
  9. CAVENAGHI, Suzana; ALVES, José Eustáquio. (2018). Mulheres chefes de família no Brasil: Avanços e desafios. Rio de Janeiro: ENS-CPES, 120 p.
  10. CERVINI, Raul. (2002). Os processos de descriminalização. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.
  11. CIDH (COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS). (2001). Relatório nº 54/01. Caso 12.051. Mérito. (Maria da Penha Fernandez vs. Brasil) 4 de abril de 2001. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/annualrep/2000port/12051.htm Acesso em 10 mar. 2021.
  12. CLARKE, Adele et al. (2016) Situational analysis in practice: mapping research with grounded theory / Adele E. Clarke, Carrie Friese and Rachel Washburn, editors. New York: Routledge.
  13. CNJ (CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA). Resolução Nº 254 de 04 de novembro de 2018 (2018). Institui a Política Judiciária Nacional de enfrentamento à violência contra as Mulheres pelo Poder Judiciário e dá outras providências. DJE/CNJ nº 167/2018, de 05/09/2018, p. 55-59.
  14. CNJ (CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA).(2021). Produtividade Mensal. Disponível em: https://paineis.cnj.jus.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=qvw_l%2FPainelCNJ.qvw&host=QVS%40neodimio03&anonymous=true&sheet=shPDPrincipal. Acesso em: 01 ago. 2021.
  15. CORTEIDH (CORTE INTERAMERICANA DE DERECHOS HUMANOS) (1999). Opinión Consultiva oc-16. El Derecho a la información sobre la assistência consular em el marco de las garantias del debido processo legal. Costa Rica Disponível em: https://www.corteidh.or.cr/docs/opiniones/seriea_16_esp.pdf Acesso em: 12 set. 2021.
  16. FERNÁNDEZ, Luciana Moretti. (2017). Mente firme e coração blindado: uma teoria da presentificação social na prática comunicacional de representar o crime no proibido. Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação (PPGCOM) da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), como exigência parcial para obtenção do título de Doutor em Ciências da Comunicação.
  17. FBSP (FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA) (2020). Nota Técnica Violência doméstica durante a pandemia de Covid-19, 16 de abril de 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-v3.pdf Acesso em: 28 jul.2021.
  18. FBSP (FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA) (2020). Nota Técnica Violência doméstica durante a pandemia de Covid-19, ED.2, 29 mai. 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2020/06/violencia-domestica-covid-19-ed02-v5.pdf Acesso em: 28 jul.2021.
  19. FBSP (FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA) (2020). Nota Técnica Violência doméstica durante a pandemia de Covid-19, ED.3, 24 jul. 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2018/05/violencia-domestica-covid-19-ed03-v2.pdf Acesso em: 28 jul.2021.
  20. GIAMBERARDINO, André. (2015). Crítica da pena e justiça restaurativa: a censura para além da punição. Florianópolis: Empório do Direito.
  21. GLASER, Barney; STRAUSS, Anselm. Leonard. The Discovery of Grounded Theory. New Brunswick, Aidine Transaction, 1967 (reimpresso em 2006)
  22. IBGE (INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA). (2019). Pesquisa Nacional de Saúde 2019. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/30660-pns-2019-em-um-ano-29-1-milhoes-de-pessoas-de-18-anos-ou-mais-sofreram-violencia-psicologica-fisica-ou-sexual-no-brasil Acesso em: 20 set. 2021
  23. ISP (INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA). (2021). Monitor da violência doméstica e familiar contra a mulher no período de isolamento social. Disponível em: http://www.ispvisualizacao.rj.gov.br/monitor/ Acesso em: 27 jul.2021.
  24. MELLO, Adriana Ramos.; PAIVA, Lívia de Meira Lima. (2020). Lei Maria da Penha na prática. São Paulo: Revista dos Tribunais.
  25. PAIVA, Lívia de Meira Lima; SANTORO, Antonio Eduardo Ramires. (2020). Limites Possibilidades e armadilhas do direito penal nos crimes que envolvem violência de gênero. In: Coleção 80 anos do Código Penal: Volume III: Parte Especial: Segundo Tomo/ Maria Thereza de Assis Moura e Miguel Reale Júnior, coordenadores. –São Paulo: Thompson Reuteurs, Brasil.
  26. ROSA, Larissa. O modelo consensual de justiça criminal e a vítima de crime. 2016. 131 f. Dissertação (mestrado em Direito). Universidade Estadual Paulista. Faculdade de Ciências Humanas e Sociais. Franca, 2016.
  27. SABADELL, Ana Lucia; PAIVA, Lívia de Meira Lima. La actuación de las instituciones del sistema de justicia brasileño en la elaboración de acciones de combate a la violencia doméstica. Studi sulla questione criminale: Le violenze maschili contro le donne, XIV, n. 1-2, 2019, pp. 107-130.
  28. SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência / Heleieth Iara Bongiovani Saffioti. São Paulo. Editora Perseu Abramo, 2ª reimp., 2004.
  29. SALGADO, Amanda; SAAD-DINIZ, Eduardo. (2017). Violência e vitimização como custos sociais da pobreza e da desigualdade na América Latina. In: SAAD-DINIZ, Eduardo (Org.). O lugar da vítima nas ciências criminais. São Paulo: LiberArs.
  30. SANTI, Liliane Nascimento de; NAKANO, Ana Márcia Spanó; LETTIERA, Angelina. (2010). Percepção de mulheres em situação de violência sobre o suporte e apoio recebido em seu contexto social. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Jul-Set; 19(3): 417-24. Disponível em: https://www.scielo.br/j/tce/a/bbpp6CHP36p7MmdTn8C5CPw/?lang=pt Acesso em: 17 out.2021.
  31. SUÁREZ, Myreia; BANDEIRA, Lourdes. (2001). A Politização da Violência Contra a Mulher e o Fortalecimento da Cidadania. Série Sociológica, no. 191. Brasília – DF: UnB.
  32. TJERJ (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO). (2017). ATO EXECUTIVO 182/2017. Institui a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (COEM) no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Publicação - DJERJ, ADM, n. 184.
  33. TJERJ (TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO DE JANEIRO). (2021) Observatório Judicial da Violência Contra a Mulher. Disponível em: http://portaltj.tjrj.jus.br/web/guest/observatorio-judicial-violencia-mulher/feminicidio/dados-estatisticos. Acesso em: 29 jul. 2021.
  34. VARGAS, Roxana Arroyo. (2011). Acceso a la justicia para las mujeres...el labirinto androcêntrico del derecho. Revista IIDH. Vol. 53, pp. 33-62. Disponível em: https://www.corteidh.or.cr/tablas/r26673.pdf. Acesso em: 29 jul. 2021.
  35. VILLARÁN, Susana. (2008). El acceso a la justicia para las mujeres. En: Interpretación de los principios de igualdad y no discriminación para los derechos de las mujeres en los instrumentos del Sistema Interamericano. Instituto Interamericano de Derechos Humanos. San José, C.R.: IIDH, pp. 262 – 278. Disponível em https://www.iidh.ed.cr/IIDH/media/1498/interpretacion-principios-en-si-esp-2009.pdf Acesso em: 28 jul. 2021.

Downloads

Não há dados estatísticos.