Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 10 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

Os sócios dos escritórios estabelecidos: as trajetórias de oito advogados

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v9.675
Enviado
novembro 12, 2021
Publicado
2022-12-27

Resumo

o artigo faz uma análise de oito entrevistas semiestruturadas com advogados empregadores e com rendimentos de alto volume. A investigação focaliza em três principais eixos: a) a origem social e ingresso na advocacia; b) o perfil da clientela e formas de inserção profissional; c) prestação de serviços e passagem por carreiras de Estado. No primeiro quesito, delimitou-se três padrões de influência familiar: a direta, na qual o contexto familiar define as possibilidades de carreira do entrevistado; indireta, na qual há influência, mas o entrevistado se coloca como independente; e a reprodução de um contexto familiar favorável ao sucesso escolar, mas sem uma ingerência específica. No que concerne ao perfil da clientela, observamos que nessa predomina clientes empresariais. Neste âmbito, foi possível detectar a mobilização de capitais políticos e sociais, além da competência jurídica. Por fim, foram analisadas passagens por cargos em órgãos estatais. Ainda que não constitua regra geral entre os entrevistados, sua ocorrência também é acidental. 

Referências

  1. Alcides J. (2005). Uma classificação socioeconômica para o Brasil. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 20 nº. 58 (pp. 27-45).
  2. Autores, 2020
  3. Bonelli, M, G & Cunha, L., et al. (2008). Profissionalização por gênero em escritórios paulistas de advocacia”. In: Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 20, n.1. (pp. 265-290).
  4. Bonelli, M. da G., Cunha, L. & Da Silveira, M. “Profissionalização por gênero em escritórios paulistas de advocacia. Tempo Social, Revista de sociologia da USP, v. 20, n. 1 (pp. 265-290).
  5. Bourdieu, P. (1979). La Distinction: critique social du jugement. 1.ed. Paris: Minuit.
  6. Bourdieu, P.& Passeron, J-C. (1970). La reproduction: éléments pour une théorie du système d’enseignement. Paris, Éditions de Minuit.
  7. Chamboredon J-C. & Prevot J. (1973). Le « métier d'enfant ». Définition sociale de la prime enfance et fonctions différentielles de l'école maternelle. Revue française de sociologie, 14-3 (pp. 295-335).
  8. Chaves, M. & Nunes, J. (2011). As classes sociais já não contam? Advocacia e reprodução social”. Sociologia, Problemas e Práticas, n.º 66 (p. 49-70).
  9. Chaves, M. & Nunes, J. (2012). Deontologia e capitalização simbólica na advocacia portuguesa contemporânea. Análise Social, 202, xlvii (1.º), pp. 114-145.
  10. Corbin, J. & Strauss, A. (1990). Grounded Theory Research: Procedures, Canons, and Evaluative Criteria. Qualitative Sociology. 13(1): pp. 3-21.
  11. Corra da Silva, L. F. (2020). Entre a posição e as práticas: classes médias nas perspectivas de Erik Olin Wright e Pierre Bourdieu. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 56, N. 1, pp. 48-57.
  12. Costa de Oliveira, R. Política, Direito, Judiciário e tradição familiar. (2014). IX Encontro da ABCP., Brasília, DF. Disponível em: https://cienciapolitica.org.br/system/files/documentos/eventos/2017/03/politica-direito-judiciario-e-tradicao-familiar-688.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2021.
  13. Cunha, L., Bonelli, M. da G. & al. (2007). Sociedades de advogados e tendências profissionais. Revista Direito GV. v. 3 n. 2 (pp. 111 – 138).
  14. Lahire, B. (2012). Tableaux de famille: heurs e malheurs scolaires en milieux populaires. 1a Ed. Paris, Seuil.
  15. Mills, C. (2002). White Collar: the american middle classes. 15ª Ed. Oxford/ New York: Oxford University Press.
  16. Natalino, M. & Lopes, F. (2020). Introdução à Edição Temática Classes Sociais, Estado e Desigualdades. In: M, Natalino; F. Lopes (org.), Boletim de análise político-institucional. Brasília, Ipea (pp. 7-17).
  17. Ribeiro de Almeida, F. (2010). A nobreza togada: elites jurídicas e política da justiça no Brasil. [Tese (doutorado em Ciência Política – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo].
  18. Sadek, M. T. (2006). Magistrados: uma imagem em movimento. 1ª Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.
  19. Souza, J. (2010). Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? 1ª Ed. Belo Horizonte: Editora UFMG.
  20. Wright, E. O. (1980). Class and occupation. Theory and Society, Vol. 9, No. 1, Special Issue on Work and the Working Class, pp. 177-214.

Downloads

Não há dados estatísticos.