Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 10 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

O decálogo da responsabilidade social empresarial e a promoção de um meio ambiente ecologicamente equilibrado

Enviado
abril 20, 2021
Publicado
2022-05-24

Resumo

 O artigo tem por objetivo examinar a responsabilidade social das empresas como promotora de um meio ambiente ecologicamente equilibrado, conforme os ditames da Constituição Federal de 1988. Percebe-se o papel fundamental das empresas para fomentar o desenvolvimento econômico e social superar os desafios para a promoção da sustentabilidade ecológica. A metodologia assinala a pesquisa empírica, com utilização de fonte de informação bibliográfica e pesquisa de campo, realizada com base em um estudo descritivo-analítico. Quanto à abordagem, é qualitativa e quanto aos objetivos, tem-se a livre metodologia descritiva e exploratória, aliada à visão prática da pesquisa com uso de questionário fechado, estruturado, de múltipla escolha e não identificado, com fins de propor novos paradigmas para a busca de uma sociedade sustentável. Por fim percebeu-se que a necessidade de inserir propostas de educação ambiental na formação de atuais e futuros gestores para que estes compreendam a importância da empresa socialmente responsável a fim de atingir a plena sustentabilidade e garantir o meio ambiente ecologicamente equilibrado.

Referências

BOWEN, H. R. (2013). Social responsibilities of the busineeman. Iowa: University of Iowa.
BRASIL, Ministério Público Federal. ACP. 23863-07.2016.4.01.3800 - 2016. Disponível em:< http://www.mpf.mp.br/mg/sala-de-imprensa/docs/denuncia-samarco >. Acesso em 10 jul 2018.
BUSTAMANTE, S.; BRENNINGER, K, (2013): CSR and its Potential Role in Employer Branding. An Analysis of Preferences of German Graduates. In: BAUMGARTNER, R.J.; GELBMANN, U.; RAUTER, R. (Ed.). Making the Number of Options Grow. Contributions to the Corporate Responsibility Research Conference, 2013, p.5. Disponível em: <https://static.uni-graz.at/fileadmin/urbi-institute/Systemwissenschaften/ISIS_Reports/ISIS_reports_6_CRRC.pdf>. Acesso em: 10 out. 2020.
CALDERÓN, J. F. C. (2000). El concepto de responsabilidade social empresarial.. Disponível em: <https://www.cemefi.org/esr/images/stories/pdf/esr/concepto_esr.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2020.
CANOTILHO, J. J. G. (2010). O princípio da sustentabilidade como princípio estruturante do direito constitucional. Tékhne, Barcelos, n.13, p.7-18, jun. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-99112010000100002&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 17 abr. 2020.
CAPRA, F. (2005). As conexões ocultas: Ciência para uma vida sustentável. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Cultrix.
CARROLL, A. B. (1991). The pyramid of corporate social responsibility: Toward the moral management of corporate stakeholders. Business Horizons, v.34, n.4.
CENTRO MEXICANO PARA LA FILANTROPIA – CEMEFI. Decálogo da empresa socialmente responsável. Disponível em: <https://www.cemefi.org/esr/images/stories/pdf/esr/decalogo_esr.pdf>
CENTRO MEXICANO PARA LA FILANTROPIA – CEMEFI. Decálogo de la empresa socialmente responsable, 2001. Disponível em: <https://www.cemefi.org/esr/images/stories/pdf/esr/decalogo_esr.pdf>. Acesso em: 15 nov.
EL PAIS. Volkswagen reconhece que adulterou 11 milhões de carros em todo o mundo. 22 set. 2015. Disponível: em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2015/09/22/internacional/1442917192_752977.html>. Acesso em: 03 maio 2018.
ELKINGTON, J. (2012). Sustentabilidade, canibais com garfo e faca. Tradução de Milton Mira de Assumpção Filho. São Paulo: M. Books do Brasil.
FERRAJOLI, L. (2013). O futuro da democracia na Europa. Direitos e poderes na economia global. Revista de direitos humanos e democracia, Unijuí, ano 1, n. 2, p. 387-388, jul./dez.
FISCHER, R. M. (2005). Estado, mercado e terceiro setor: uma análise conceitual das parcerias intersetoriais. Revista de Administração - RAUSP, Universidade de São Paulo, v. 40, n. 1, p. 5-18, enero-marzo. https://social.stoa.usp.br/articles/0035/3113/FISCHER.pdf
FREEMAN, R. E. (2004). The stakeholder approach revisited. Zeitschrift für Wirtschafts - und Unternehmensethik, Mering, v. 5, Iss. 3, p.228-241. http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.466.6445&rep=rep1&type=pdf
FURTADO, C. (1998). Capitalismo global. São Paulo: Paz e Terra.
FURTADO, C. (2002) . Em busca de um novo modelo. São Paulo: Paz e Terra.
HOLANDA, M. M. (2016). Análise constitucional do acesso ao trabalho digno, como instrumento do desenvolvimento econômico e social. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris.
INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS – IBAMA. (2017). Ofício 02001.002345/2017. Comunica aplicação de multa a Volkswagen do Brasil. 2017. http://www.ibama.gov.br/phocadownload/noticias/noticias2017/oficio_volkswagen_e_anexos_.pdf
INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION – ISSO (2010). Guidance on social responsibility - ISO 26000. Génova, https://www.iso.org/obp/ui/es/#iso:std:iso:26000:ed-1:v1:en
JACKSON, T. (2013). Prosperidade sem crescimento: vida boa em um planeta finito. Tradução de José Eduardo Mendonça. São Paulo: Planeta sustentável.
KOTLER, P. (2015). Capitalismo em confronto: Soluções reais para os problemas de um sistema econômico. Tradução Claudia Gerpe Duarte. Rio de Janeiro: Best Business.
MICHEL, M. O.; LAMPERT, M. A. (2007). Responsabilidade social ou marketing para causas sociais. http://www.bocc.ubi.pt/pag/michel-lampert-responsabilidade-social.pdf
POMPEU, R. M; MARQUES, C; BRAGA, V. (2014).The influence of university social responsibility on local development ande human capitial. In: KARATAS-ÖZKAN, Mine; NICOLOPOULOU, Katerina; ÖZBILGIN, Mustafa F. Corporate social responsibility and human resource management - A Diversity Perspective. London: Edward Elgar publishing.
PORTER, M. E.; KRAMER, M. R. (2011). Criação de valor compartilhado. Havard Business Review Brasil. http://hbrbr.com.br/criacao-de-valor-compartilhado
PUTNAM, R. D. (2009). Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. 5. ed. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.
RIO DE JANEIRO. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (2015). Poder Judiciário. Processo 0412318-20.2015.8.19.0001, 19 ago. http://www1.tjrj.jus.br/gedcacheweb/default.aspx?GEDID=00043C717140F3D02CC467F8DA50D93AEEFBC506641B2A3E
RIO DE JANEIRO. Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. (2018). Poder Judiciário. Processo 0412318-20.2015.8.19.0001. http://www1.tjrj.jus.br/gedcacheweb/default.aspx?GEDID=00043C717140F3D02CC467F8DA50D93AEEFBC506641B2A3E
SAMARCO. Relatório Anual Samarco – (2005) http://www.samarco.com/wp-content/uploads/2016/08/2005-Relatorio-Anual-de-Sustentabilidade.pdf
SARLET, I. W. Prefácio. (2015). In: BOSSELMANN, Klaus. O princípio da sustentabilidade: transformando direito e governança. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015.
SEN, A. (2019). Sobre ética e economia. Tradução de Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras.
TANÓRIA, F. G. B. (2008). La responsabilidad social empresarial. Un estudio en cuarenta empresas de la ciudad de Mérida, Yucatán. Contaduría y Administración, n. 226, p.73-91, 2008, p.10. http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0186-10422008000300005&lng=es&nrm=iso
TERCEK, M. R.; ADAMS, J. S. (2014). Capital natural: Com o as empresas podem prosperar ao investir no meio ambiente. Tradução de Vera Caputo. São Paulo: Alaúde, 2014.
UNITED STATES ENVIROMENTAL PROTECTION AGENCY – EPA. Volkswagen Clean Air Act Civil Settlement. (2018). https://www.epa.gov/enforcement/volkswagen-clean-air-act-civil-settlement#civil
VOLKSWAGEN (2018). No dia mundial do meio ambiente, Volkswagen do Brasil comemora prêmio de responsabilidade ambiental recebido da AEA (Associação Brasileira de Engenharia Automotiva POLÍTICA AMBIENTAL. http://vwbr.com.br/ImprensaVW/Release.aspx?id=c4993c9e-4ba7-4900-8ac9-0fb01aed275b
VOLKSWAGEN. Política ambiental. Disponível em: <https://www.vw.com.br/pt/volkswagen/politica-ambiental.html>. Acesso em: 07 maio 2018.
WATTS, W. (1978). In: MEADOWS, Donella H. et al. Limites do crescimento: Um relatório para o projeto do Clube de Roma sobreo dilema da humanidade. Tradução Inês M F Litto. 2. ed. São Paulo: Perspectiva.
YUNUS, M. (2011). Bulding social business: the new kind of capitalism that serves humanity’s most pressing needs. New York: PublicAffairs.

Downloads

Não há dados estatísticos.