Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Artigos

v. 10 (2022): Revista de Estudos Empíricos em Direito

A percepção dos atores do sistema de justiça criminal sobre a monitoração eletrônica em Belo Horizonte (MG)

DOI
https://doi.org/10.19092/reed.v9.581
Enviado
fevereiro 20, 2021
Publicado
2022-05-24

Resumo

A aplicação da monitoração eletrônica, embora recente, tem crescido substancialmente no Brasil. Para defensores de tal mecanismo o seu advento tem o intuito de diminuir a população carcerária, entre presos provisórios e condenados, como também ser uma inciativa mais barata ao estado para controlar e combater do crime do que as tradicionais formas de punição como a prisão. O que se pode afirmar é que a partir da monitoração eletrônica houve uma ampliação do número de pessoas que passaram a ser controlados eletronicamente pelo Estado. Para tanto, o presente artigo tem por objetivo apresentar análise da percepção dos operadores de justiça de Belo Horizonte acerca da Monitoração Eletrônica na capital mineira.

Referências

  1. Azevedo, R. G. de, & Cifali, A. C. (2015). Política criminal e encarceramento no Brasil nos governos Lula e Dilma Elementos para um balanço de uma experiência. Civitas, 15(1), 105–127.
  2. Azevedo, R. G. de, & Vasconcellos, F. B. (2012). Punição e Democracia em busca de novas possibilidades para lidar com o delito e a exclusão social. In R. M. C. Gauer (Org.). Criminologia e sistemas jurídicos penais contemporâneos. Porto Alegre: Edipucrs (pp. 93-119).
  3. Bottini, P. C. (2008). Aspectos pragmáticos e dogmáticos do monitoramento eletrônico. Revista da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia, 36, 387-404.
  4. Pimenta, I. L. (2016). Diretrizes para Tratamento e Proteção de Dados na Monitoração Eletrônica de Pessoas. In Depen – Departamento Penitenciário Nacional e Pnud – Programa De Desenvolvimento Das Nações Unidas. Brasília: Ministério da Justiça, Departamento Penitenciário Nacional & PNUD.
  5. Pimenta, I. L. (2016). Modelo de Gestão de Monitoração Eletrônica de Pessoas (no prelo). In Depen – Departamento Penitenciário Nacional e Pnud – Programa De Desenvolvimento Das Nações Unidas. Brasília: Ministério da Justiça, Departamento Penitenciário Nacional & PNUD.
  6. Caiado, N. (2012). The third way: an agenda for electronic monitoring in the next decade. Journal of Offender Monitoring, 24, 5–14.
  7. Caixeta, M. W. (2014). Os Maria da Penha: uma etnografia de mecanismos de vigilância e subversão de masculinidades violentas em Belo Horizonte [Dissertação de Mestrado em Antropologia, Universidade de Brasília].
  8. Garland, D. (2012). Os limites do Estado Soberano: estratégias de controle do crime na sociedade contemporânea. In: C. Canêdo, & D. Fonseca (Orgs.) Ambivalência, Contradição e Volatilidade no Sistema Penal. Belo Horizonte: Editora UFMG (pp. 55-99).
  9. Garland, D. (2008). A cultura do controle: crime e ordem social na sociedade contemporânea. Tradução de André Nascimento. Rio de Janeiro: Revan.
  10. Gottfredson, M. R., & Gottfredson, D. M. (1987). Decision Making in criminal justice: Toward the rational exercise of discretion. Springer Science & Business, Media.
  11. Jesus Filho, J. (2012). Vigilância Eletrônica, Gestão de Riscos e Política Criminal [Dissertação de Mestrado em Direito, Universidade de Brasília].
  12. Kant de Lima, R. (2014). Éticas e Práticas na Segurança Pública e na Justiça Criminal. In R. S. Lima, J. L. Ratton, & R. G. Azevedo (Orgs.). Crime, Polícia e Justiça no Brasil. São Paulo, SP: Editora Contexto (pp. 471-482).
  13. Leal, C. B. (2011). Vigilância eletrônica à distância: instrumento de controle e alternativa à prisão na América Latina. Curitiba: Juruá Editora.
  14. Nucci, G. de S. (2011). Prisão e liberdade: reformas processuais penais introduzidas pela Lei 12.403, de 4 de maio de 2011. São Paulo: Revista dos Tribunais.
  15. Sapori, L. F. (1995). A administração da Justiça Criminal numa área metropolitana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 29, 143-156.
  16. Souza, R. L., & Silveira, A. M. (2017). Egressos do Sistema Prisional no Mercado Formal de Trabalho: oportunidade real de inclusão social? Revista de Políticas Públicas, 21(2), 761-780.
  17. Vasconcelos, C. L. (2017). Monitoramento Eletrônico no Âmbito da Aplicação da Lei Maria da Penha: uma análise do sistema da cidade de Recife. [Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Direito, Universidade Católica de Pernambuco, Recife].
  18. Vidal, E. de L. (2014). Monitoramento Eletrônico: aspectos teóricos e práticos [Dissertação de Mestrado, Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia, Salvador].
  19. Wacquant, L. (2008). Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Revan.

Downloads

Não há dados estatísticos.