A universidade como vetor do desenvolvimento econômico, social e tecnológico local: o caso da UFPE para Pernambuco

  • Flávia Cássia Santos Universidade Federal de Pernambuco
  • Artur Stamford da Silva Universidade Federal de Pernambuco
  • Marcelo Rutowitsch Chimento Instituto Nacional da Propriedade Industrial

Resumo

A gestão da propriedade intelectual tem vários desafios. Nossa pesquisa parte da questão do papel das universidades no desenvolvimento econômico, social e tecnológico local. Tomamos a Universidade Federal de Pernambuco como estudo de caso. Pautados pela hélice tríplice, portanto pela concepção de que uma política de inovação necessariamente requer o envolvimento de universidade/indústria/governo, analisamos dados obtidos nas base InCites e Questel Orbit, os quais nos permitem observar que a UFPE, em razão de suas cooperações e parcerias empreendedoras locais, nacionais e internacionais, de sua relação com o governo do estado e de suas patentes, no que se refere à inovação em Pernambuco, configura-se não apenas como responsável pelo fator conhecimento, mas também como instituição responsável por estimular e provocar o desenvolvimento econômico, social e tecnológico local.

 

Biografia do Autor

Flávia Cássia Santos, Universidade Federal de Pernambuco
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Inovação Terapêutica e Mestre em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Pernambuco
Artur Stamford da Silva, Universidade Federal de Pernambuco
Doutor em Direito pela universidade federal de Pernambuco(2002). Professor associado da UFPE, Centro de Ciências Jurídicas, Faculdade de Direito do Recife. Pesquisador de Produtividade do CNPq 1D.
Marcelo Rutowitsch Chimento, Instituto Nacional da Propriedade Industrial
Doutor em Propriedade Intelectual e Inovação pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). 

Referências

Araújo, Luísa; Rodrigues, Maria de Lurdes (2017). Modelos de análise das políticas públicas. Sociologia, Problemas e Práticas, 83, 11-35. DOI: 10.7458/SPP2017839969.

Barcelos, Márcio (2015). O Papel das Ideias nos Processos de Construção de Políticas Públicas: Abordagens Sintéticas versus Abordagens Pós-empiricistas. Disponível em: https://www.ufrgs.br/sicp/wp-content/uploads/2015/09/BARCELLOS-M.-O-papel-das-ideias-nos-processos-de-constru%C3%A7%C3%A3o-de-pol%C3%ADticas-p%C3%BAblicas.-Abordagens-sint%C3%A9ticas-versus-abordagens-p%C3%B3s-empiricistas.pdf. Acesso em: 03/mar/2018. p. 1-23

Bagnato, Vanderley, Salvador; Ortega, Luciene, Meneguin; Marcolan, Daniel: Guia Prático II: Transferência de Tecnologia Parcerias entre Universidade e Empresa (2014), USP.

Bora, Alfons (2017). Semantics of ruling: reflective theories of regulation, governance and law. In: MÖLDERS, Paul R.; BORA, Alfons; MÜNTE, Huber M. (eds.). Society, Regulation and Governance New Modes of Shaping Social Change? (pp. 15-37). Cheltenham: Edward Elgar.

Buainain, Antônio Márcio; Souza, Roney Fraga (2018). Propriedade intelectual, inovação e desenvolvimento: desafios para o Brasil. Rio de Janeiro: ABPI.

Capella, Ana Cláudia Niedhardt (2018). Formulação de políticas. Brasília: Enap.

Coelho, Lucas Cunha Duarte; DIAS, Alexandre Aparecedido (2016). O núcleo de inovação tecnológica da UFPE: instrumento de política de inovação ou obrigação legal?. RACEF - Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 7, 28-42.

Dearing, James W.; Roggers, Everett J (1996).Agenda-setting. London: SAGE.

Egarra-Blasco, Agustí; Arauzo-Carod, Josep-Maria (2008). Sources of innovation and industry–university interaction: Evidence from Spanish firms. Research Policy, 37(8), 1283-1295. Doi: 10.1016/j.respol.2008.05.003.

Etzkowitz, Henry; Leydesdorff, Loet (2000). The dynamics of innovation: From national systems and ‘Mode 2’ to a triple helix of university-industry-Government relations. Research Policy, 29(2), 109-123.

Etzkowitz, Henry; Zhou, Chunyan (2017). Hélice Tríplice: inovação e empreendedorismo universidade-indústria-governo. Estudos Avançados, 31(90), 23-48.

Freitas, Isabel M. B.; Marques, Rosane A.; Silva, Evando M. P. (2013). University–industry collaboration and innovation in emergent and mature industries in new industrialized countries. Research Policy, 42(2), 443-453. DOI: 10.1016/j.respol.2012.06.006

Gunasekara, Chrys (2006) Reframing the Role of Universities in the Development of Regional Innovation Systems . The Journal of Technology Transfer 31(1), 101- 113.

Howlett, Michael (2000). A Dialética da Opinião Pública: efeitos recíprocos da política pública e da opinião pública em sociedades democráticas contemporâneas. Opinião Pública, Campinas, 6(2), 167-186.

Lasswell, Harold D. (1970). The emerging conception of the policy sciences. Policy Sciences, 1(1), 3-14.

Suzigan, Wilson; Albuquerque; Eduardo da Motta (2008). A interação entre Universidades e empresas em perspectiva histórica no Brasil. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar.

Fernandes, Ana, Cristina, A.; Melo, Lúcia. Carvalho. P. (2017). Estratégia de Ciência, Tecnologia e Inovação para Pernambuco 2017-2022: uma política localmente inspirada, globalmente conectada. Recife: Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Manual de Oslo (1997). Diretrizes para a Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação. Terceira ed. Financiadora de Estudos e Projetos, Ministério da Ciência e Tecnologia (FINEP).

Produto Interno Bruto (PIB) 2018. Tabela com os PIBs 4º trimestre de dos estados brasileiros, IBGE. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php

Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Dispêndio nacional em pesquisa e desenvolvimento (P&D), em valores correntes, em relação ao total de P&D e ao produto interno bruto (PIB), por setor institucional, 2000-2016. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/opencms/indicadores/detalhe/recursos_aplicados/indicadores_consolidados/2_1_3.html

Instituto Nacional da Propriedade Industrial, INPI (2018). Ranking de Patentes. Disponível em:http://www.inpi.gov.br/noticias/unicamp-lidera-ranking-de-maiores-depositantes-de-patente-nacionais

Lawton Smith, Helen; Leydesdorff, Loet (2014), The Triple Helix in the Context of Global Change: Dynamics and Challenges. Prometheus, 32(4), 321-336. DOI: 10.1080/08109028.2014.972135

Leydesdorff, Loet; Etzkowitz, Henry (1998). The Triple Helix of Innovation: introduction. Science and Public Policy, 25(6), 358-64.

Leydesdorff, Loet; Park, Han Woo; Lengyelc, Balazs (2012). A Routine for Measuring Synergy in University-Industry-Government Relations: Mutual Information as a Triple-Helix and Quadruple-Helix Indicator. arXiv:1211.7230 Disponível em: https://arxiv.org/ftp/arxiv/papers/1211/1211.7230.pdf.

Leydesdorff, Loet (2013). Sociological and Communication-Theoretical Perspectives on the Commercialization of the Sciences. Science & Education, Springer, 22, 2511–2527. DOI 10.1007/s11191-012-9458-4

Mascareño, Aldo (2010). Coordinación social mediante políticas públicas: el caso chileno. Revista CEPAL, 101, 111-126.

Reichert, Sybille(2019). The role of universities in regional innovation ecosystems. Brussels/Geneva: European University Association asbl. Disponível em: https://eua.eu/downloads/publications/eua%20innovation%20ecosystem%20report%202019v1.1_final_digital.pdf

Romer, Paul (1990). Endogenous Technological Change. The Journal of Political Economy, 98(5), S71-102. Part 2: The Problem of Development: A Conference of the Institute for the Study of Free Enterprise Systems. (Oct., 1990), pp. S71-S102.

Schattschneider, Elmer Erik (1960). The semisovereign people: a realist’s view of democracy in America. Hinsdale: Dryden Press.

Schumpeter, Joseph Alois (1997[1964]). Teoria do desenvolvimento econômico. Uma investigação sobre lucros, Capital, crédito, juro e o Ciclo econômico. (Tradução de Maria Sílvia Possas). São Paulo: Nova Cultural. Coleção: Os Economistas.

Segarra-Blasco, Agustí; Arauzo-Carod, Josep-Maria (2008). Sources of innovation and industry–university interaction: Evidence from Spanish firms. Research Policy, 37(8), 1283-1295. DOI: 10.1016/j.respol.2008.05.003.

Stichweh, Rudolf (2018). Elementos-chave de uma teoria da sociedade mundial. Revista Sociedade e Estado, 33(2), 389-406. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v33n2/0102-6992-se-33-02-00389.pdf

Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). UFPE em números. Disponível em: https://www.ufpe.br/institucional/ufpe-em-numeros Acesso em: 03/fev/2019.

Wandamaietta, Ornella (2015). Determinants of university–firm R&D collaboration and its impact on innovation: A perspective from a low-tech industry. Research Policy, 44(7), 1341-1359. DOI: 10.1016/j.respol.2015.03.006

WIPO (2018). World Intellectual Property Indicators 2018. Geneva: World Intellectual Property Organization. Disponível em: https://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/wipo_pub_941_2018.pdf. Acesso em: 03/fev./2019

Publicado
2019-12-30